A decisão saiu da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos Estados-membros da NATO, de dois dias e que hoje terminou em Riga.

"O Comando Militar vai fazer uma avaliação dos riscos inerentes às movimentações russas (junto da fronteira) e deixámos uma mensagem de aviso à Federação Russa que qualquer ação destabilizadora da Ucrânia será vista com muita preocupação por parte dos aliados e desencadeará uma resposta", disse Augusto Santos Silva.

A avaliação, pedida ao general Tod D. Wolters, Comandante Supremo Aliado na Europa (SACEUR, na sigla em inglês), "foi pedida com urgência porque as informações que temos indiciam um aumento da presença militar russa junto da fronteira com a Ucrânia", acrescentou o chefe da diplomacia portuguesa.

EL // CSJ

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.