Em nota, a Anvisa frisou que a resolução "estabelece os requisitos e os procedimentos para a solicitação de registo, distribuição, comercialização e utilização de autotestes para deteção do antígeno de Sars-CoV-2."

Assim, será permitida a venda de autotestes diretamente ao consumidor por farmácias e estabelecimentos de saúde licenciados para comercializar dispositivos médicos.

O comunicado destacou que "é proibida a oferta de autotestes na internet em sítios eletrónicos que não pertençam a farmácias ou estabelecimentos de saúde autorizados e licenciados pelos órgãos de vigilância sanitária competentes."

Embora a resolução tenha sido aprovada, nenhum autoteste poderá ser comercializado imediatamente no país já que as empresas habilitadas legalmente que desejarem colocar esses dispositivos à venda terão que registar o produto.

O Brasil registou 625.085 mortes e mais de 24,7 milhões de infeções desde a eclosão da pandemia no país, em fevereiro de 2020.

A covid-19 provocou mais de 5,63 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países.

CYR // PJA

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.