"Durante o estado de emergência, foram admitidos nas morgues 225 corpos, dos quais 19 eram de agentes das forças da ordem e de militares", afirmou um representante da Procuradoria-Geral do Cazaquistão, Serik Shalabaev, durante uma conferência de imprensa, citado pelas agências de notícias AFP e EFE.

Entre os mortos, estão "bandidos armados" que participaram nos ataques a edifícios públicos e contra elementos das forças de segurança, acrescentou o representante das autoridades Serik Shalabaev.

Nos 4.353 feridos identificados, há 3.393 elementos das forças de segurança, segundo a mesma fonte.

Os números anteriores das autoridades do Cazaquistão referiam 164 mortos e cerca de mil feridos nos protestos dos primeiros dias deste ano, que começaram por ser manifestações contra o aumento dos preços do gás liquefeito e que as autoridades consideraram ser uma tentativa de golpe de Estado, que reprimiram com violência.

O presidente do Cazaquistão, Kassim-Jomart Tokayev, escreveu no Twitter, na sexta-feira, que nos "trágicos acontecimentos de janeiro" e do estado de emergência que se seguiu foram detidas "aproximadamente 2.000 pessoas por diferentes delitos".

A Procuradoria-Geral do Cazaquistão disse hoje que estão em investigação 546 processos e que 44 deles estão relacionados com suspeitas de terrorismo.

Estão em centros de detenção temporária 672 pessoas suspeitas de delitos e cerca cem foram libertadas por falta de provas, acrescentou Shalabaev.

As autoridades do Cazaquistão já tinham justificado a repressão das manifestações com a suspeita de terrorismo e tentativa de golpe de Estado.

No dia 05 de janeiro foi demitido, com todo o Governo, o antigo chefe do Comité de Segurança Nacional do Cazaquistão (CSN) Karim Masimov, que foi detido no dia seguinte e acusado de alta traição.

Na quinta-feira passada, o CSN disse que dois dos seus ex-vice-presidentes foram também detidos por suspeitas de crimes de abuso de poder e tentativa de golpe de Estado, no âmbito da investigação contra Karim Masimov.

Masimov foi primeiro-ministro antes de assumir a liderança da CSN em 2016.

No início do mês ocorreram protestos inicialmente provocados pelo aumento do preço do gás liquefeito, usado no país como alternativa mais barata à gasolina.

As manifestações, alimentadas por um descontentamento com as elites económicas e políticas do país e com a corrupção, transformaram-se em tumultos e foram reprimidas pelas forças cazaques numa operação caracterizada como "antiterrorista".

Tokayev chegou a dar ordem às forças de segurança para "atirarem a matar" durante os protestos, de forma a conter a agitação civil.

O Presidente cazaque pediu ajuda à Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), cujas forças lideradas pela Rússia começaram na quinta-feira a retirada do Cazaquistão, segundo o Ministério da Defesa russo.

MP (CSR) // MAG

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.