Trump nega que nomeação de procurador-geral interino vise bloquear investigação russa

O Presidente norte-americano negou hoje que a nomeação de Matthew Whitaker como procurador-geral interino seja uma manobra para bloquear a investigação em curso sobre um eventual conluio entre a sua campanha presidencial e Moscovo nas eleições de 2016.

"Não falei com Whitaker sobre este assunto", disse Donald Trump, quando questionado se tinha abordado com o procurador-geral (equivalente ao ministro da Justiça) interino a possibilidade de acabar com a investigação federal em curso conduzida pelo procurador especial Robert Mueller, momentos antes de viajar para França para participar em Paris nas cerimónias comemorativas do centenário do fim da I Guerra Mundial.

Com esta declaração, Trump pretendeu dissipar as suspeitas que têm surgido em redor da demissão do procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, que durante vários meses foi alvo de repreensões públicas por parte do chefe de Estado norte-americano.

A decisão de Jeff Sessions de apresentar a demissão do cargo, na sequência de um pedido do próprio Presidente, foi conhecida na quarta-feira.

Nas mesmas declarações, Trump disse que não conhecia pessoalmente Matthew Whitaker, assegurando que a nomeação deste funcionário como procurador-geral interino deve-se unicamente à sua inteligência e à sua "grande reputação" entre as forças de segurança dos Estados Unidos.

Matthew Whitaker era chefe de gabinete de Sessions.

"É um homem muito inteligente e muito respeitado na comunidade das forças de segurança (...) Disseram que tem uma grande personalidade e é disso que nós precisamos", acrescentou.

A saída de Sessions da administração norte-americana e a nomeação interina de Whitaker estão a ser encaradas com forte apreensão pelo Partido Democrata que teme que a Casa Branca esteja a tentar encontrar uma via para acabar com a investigação federal sobre uma possível ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

O facto de o cargo ser interino está a ser encarado como uma vantagem para a administração Trump, porque Matthew Whitaker pode exercer funções sem estar sujeito à provação do Senado (câmara alta do Congresso norte-americano).

Perante tal situação, os democratas receiam de que possa ocorrer um aproveitamento político e sejam tomadas medidas que bloqueiem a investigação.

Tal possibilidade motivou o Partido Democrata a solicitar uma investigação no Senado.

"Mueller está a fazer um relatório e não foi confirmado pelo Senado", argumentou ainda Donald Trump.

Jeff Sessions aguentou vários meses de ataques e críticas pessoais de Trump por se ter escusado a investigar a potencial ingerência russa na campanha presidencial de Trump, em 2016, em conluio com a equipa de campanha deste.

O chefe de Estado culpou essa decisão de Sessions por ter aberto a porta à nomeação do procurador especial Robert Mueller, que tomou a seu cargo a investigação sobre o papel da Rússia e começou a analisar se a intimidação de Sessions seria parte de um plano mais abrangente de obstrução da Justiça.

Numa conferência de imprensa realizada na quarta-feira na Casa Branca, o Presidente dos Estados Unidos afirmou "não estar preocupado" com a investigação federal conduzida por Mueller.

"Não estou preocupado com a investigação russa, porque é uma farsa", disse na altura Trump, assegurando ainda que não tenciona acabar com esta investigação, processo que tem vindo a descrever, ao longo de vários meses, como uma "caça às bruxas".

SCA (ANC) // EL

Lusa/Fim

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.