"Nós não queremos continuar a confinar, que isso é interromper o desenvolvimento", mesmo no atual cenário de mais mortes, internamentos e infeções, afirmou Nyusi, em declarações reproduzidas pela emissora pública Rádio Moçambique.

O chefe de Estado moçambicano fez um apelo veemente à população moçambicana para o respeito rigoroso das medidas de prevenção de covid-19.

"Não interrompam, por favor, o desenvolvimento do país", enfatizou Filipe Nyusi.

Passado mais de um ano após o registo do primeiro caso de covid-19, ninguém em Moçambique pode apontar a falta de conhecimento das medidas de prevenção da pandemia para justificar um comportamento permissivo em relação à doença, assinalou Nyusi.

A viver em plena terceira vaga, o país tem a taxa de positividade de covid-19 mais elevada do continente africano, situando-se agora em 16,7%, de acordo com a análise epidemiológica semanal divulgada na segunda-feira pelo Ministério da Saúde.

Moçambique contabiliza um total acumulado de 1.479 óbitos e 124.962 casos, dos quais 76% recuperados da doença e 501 internados.

As principais cidades moçambicanas estão sob recolher obrigatório, o ensino está suspenso e o comércio, restauração e serviços funcionam com horários muito limitados, abrindo apenas de dia, no âmbito das medidas de combate à pandemia.

 

PMA // PJA

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.