Mais de 2.000 vivem em tendas nas ruas do nordeste de Paris

Mais de 2.000 migrantes vivem atualmente em acampamentos improvisados nas ruas do nordeste de Paris, estando o Estado a preparar a criação de 1.200 lugares em abrigos, indicou hoje a agência France Presse.

Um total de 2.039 migrantes, nível inédito desde a primavera, foi recenseado na quarta-feira pela associação França terra de asilo (FTDA). Mais de 800 dos migrantes encontram-se na zona de Porte de la Chapelle.

A AFP assinala tratar-se de uma subida significativa, dado que uma semana antes a FTDA tinha registado 1.728 pessoas nos mesmos acampamentos, numa base de duas pessoas por tenda.

Existem outros campos, mais pequenos mas igualmente insalubres, noutras zonas de Paris, como Saint-Denis, Porte de Clignancourt ou Porte de la Villette.

Interrogada pela AFP, a prefeitura da região parisiense sublinhou que a zona registou "um aumento de 45% no número de requerentes de asilo" em 2018, contra "20% ao nível nacional", o que "saturou os centros de abrigo para migrantes".

"Face a esta realidade, o governo vai reforçar nos próximos dias os meios de acomodação dos requerentes de asilo. Vão abrir muito em breve na Ilha de França (região parisiense) 1.200 lugares de abrigo para migrantes graças ao apoio do Ministério da Coesão Territorial", afirmou o prefeito Michel Cadot.

Os acampamentos improvisados tinham praticamente desaparecido de Paris após a evacuação em junho do que se encontrava perto da Porte de la Villette.

As forças de segurança tentaram desde então impedir o seu reaparecimento, desalojando os migrantes logo que se instalavam, mas as associações de ajuda começaram a lançar o alerta para novas situações de risco no final de dezembro.

PAL // ANP

Lusa/fim

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.