Bónus fiscais crescem 32% para 2,4 mil milhões de euros em 2016

Benefícios fiscais concedidos pelo Ministério das Finanças a bancos, fundações, empresas, clubes desportivos e municípios cresceram 32%.

Benefícios fiscais concedidos pelo Ministério das Finanças a bancos, fundações, empresas, clubes desportivos e municípios cresceram 32%.

O Ministério das Finanças concedeu benefícios fiscais a empresas, autarquias e fundações no valor de 2,4 mil milhões de euros ao longo de 2016, avança o Correio da Manhã. Trata-se de um aumento de cerca de 32% face ao ano anterior, de acordo com dados divulgados pela Autoridade Tributária.

Os bónus fiscais abrangem dez impostos entre os quais o IRC, Impostos de Selo e impostos sobre imóveis: o IMT aplicado nas transações e o IMI pago anualmente. Este último imposto é, aliás, o que explica o aumento dos benefícios fiscais concedidos em 2016, que se cifraram numa subida de 700 mil euros.

Bancos, fundações, empresas, clubes desportivos e municípios estão entre os beneficiários deste alívio fiscal, tendo o Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno, alargado os benefícios a mais sete mil entidades, em 2016. Segundo a listagem divulgada pela Autoridade Tributária, citada pelo jornal diário, cerca de 300 entidades tiveram benefícios fiscais superiores a um milhão de euros.

O município de Lisboa, com benefícios da ordem dos 45 milhões de euros, o Grupo EDP com alívio de 38 milhões de euros e a TAP, com cerca de 22 milhões de euros, lideram a lista das entidades com o maior volume de benefícios fiscais atribuídos.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.