Carlos Tavares, CEO do Grupo Stellantis, vê a crise de semicondutores como algo que se vai manter no próximo ano.

Com o número de vendas a melhorar após um difícil período de covid-19, a indústria automóvel continua a lutar noutra batalha: a escassez de semicondutores. A falta deste componente tem influência na produção e, diga-se, são várias as marcas que estão a produzir menos do que estava previsto. Agora, em declarações durante o Automotive Press Association em Detroit, Carlos Tavares, CEO do Grupo Stellantis, deu a sua opinião sobre a continuidade da escassez de semicondutores.

“A crise de semicondutores, devido a tudo o que vejo e não tenho a certeza de que vejo tudo, vai arrastar-se para 2022, isto porque não vejo sinais suficientes de que a produção adicional através de pontos de abastecimento asiático vá chegar ao Oeste num futuro próximo”, afirmou o português.

Fonte: Automotive News

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.