O que vale o novo Mercedes-AMG GT4 Coupé?

Aí está o muito esperado Mercedes-AMG GT 4 Coupé, o primeiro modelo de quatro portas da AMG, que começa a chegar aos mercados europeus já no final ano. O que vale o novo Mercedes-AMG GT4 Coupé?

Aí está o muito esperado Mercedes-AMG GT 4 Coupé, o primeiro modelo de quatro portas da AMG, que começa a chegar aos mercados europeus já no final ano.

O Mercedes-AMG GT 4 Coupé estará disponível com duas motorizações: uma de seis cilindros em linha e um V8, este último com uns impressionantes 639 cv de potência.

Mais do que uma berlina coupé de 4 portas, como o Mercedes-Benz CLS, este GT4 pretende afirmar-se como um verdadeiro desportivo quatro portas, entrando em terrenos como os do Porsche Panamera ou do novo BMW i8 Gran Coupé, também oficialmente apresentado no Salºao de Genebra.

Exteriormente, o GT4 não esconde o seu ar de família com o Mercedes-AMG GT Coupé de duas portas, embora dos dois modelos tenham plataformas diferentes. Neste aspeto, o AMG GT4 está mais próximo dos novos Classe E e CLS, do que do AMG Coupé GT.

No interior, o habitáculo é completamente diferente do conhecido do GT, com uma enorme consola central e um tablier de desenho mais convencional, onde se destacam os dois ecrãs LCD de 12,3 polegadas cada do painel de instrumentos digital e do sistema de informação e entretenimento.

Na traseira, em opção, há uma configuração com lugar extra, elevando a lotação de qautro para cinco ocupantes.

A versão de entrada de gama é a GT 53, que recorrer ao bloco 3.0 litros turbo de seis cilindros em linha, que liberta 429 cv de potência. Está equipado com motor elétrico de 48 volts e a um pequeno alternador elétrico, colocado entre o motor e a transmissão, que serve a função EQ Boost e lhe dá 21 cv extra, em caso de necessidade.

O AMG GT 63 está dotado de um bloco V8 4.0 litros duplo turbo construído à mão, que desenvolve 577 cv de potência. Na versão GT 63 S, este mesmo bloco é puxado aos 639 cv. Em ambos os casos, o motor tem o sistema de desativação de cilindros para reduzir consumos e emissões.

Todas as versões têm tração integral às quatro rodas 4Matic e transmissão automática de 9 velocidades, em versão TCT AMG Speedshift no GT 63 e GT 63 S, também equipados de série com quatro rodas direcionais (opcional no GT 53).

O diferencial traseiro autoblocante controlado eletronicamente e o modo Drift são de série no GT 63 S, opcionais no GT 63, não estando disponíveis no GT 53.

O GT 63 S 4Matic cumpre os 0 a 100 km/h em 3,2 segundos e atinge os 315 km/h de velocidade de ponta. O GT 63 leva mais 0,2 segundos nos 0-100 km/h e fica-se pelos 310 km/h. O mais civilizado GT 53, acelera até aos 100 km7h em 4,5 segundos e alcança os 285 Km/h.

O GT 63 e GT 63 S chegam ao mercado europeu ainda no final deste ano. O GT 53 vem mais tarde.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.