Mundial de Futebol ‘lixou’ a Fórmula 1

Mundial de futebol condicionou calendário da F1

Nos últimos tempos as “trocas e baldrocas” entre o desporto rei e o automobilismo têm sido algumas e depois Banco Santander ter terminado o seu patrocínio à Ferrari e à F1, foi a vez do futebol dar uma ajuda aos motores, com a notícia da presença de André Villas Boas e Rúben Faria no Dakar.

O mediatismo do ex-treinador do Porto e Chelsea, entre outros, levou a que isso fosse falado em todo o lado. Quer queiramos quer não isso será bom para os automóveis, pois muita gente que não ‘liga’, irá ‘ligar’, quanto mais não seja por curiosidade. Talvez fique adepto.

Por fim, agora ficou a saber-se que o Mundial de Fórmula 1 de 2018 vai ter três corridas em três fins de semana consecutivos pela primeira vez na sua história, por ‘culpa do Mundial de Futebol que se realiza em junho e julho do próximo ano.

Ross Brawn já disse que quer evitar este tipo de coisas no futuro, três corridas seguidas (França, Áustria e Grã-Bretanha) pois não vai ser logisticamente fácil e vai obrigar a toda a caravana da F1 a três semanas non-stop. Não são dois ou três dias, são três semanas:

“O Mundial de Futebol apresentou-nos um problema pouco usual. A final da competição é no domingo 15 de julho e seria muito injusto ter um Grande Prémio nesse fim de semana. Só o conseguimos resolver, fazendo três corridas de seguida, mas isso não é algo que queiramos repetir no futuro”, disse Ross Brawn.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.