Ferrari Monza SP1 e SP2: as “barquettas” estão de regresso

A gama Ferrari começou com as famosas “barquetas” que foram desaparecendo do catálogo da casa de Maranello. Estão de regresso após a Ferrari cortar o tejadilho ao 812 Superfast.

A gama Ferrari começou com as famosas “barquetas” que foram desaparecendo do catálogo da casa de Maranello. Estão de regresso após a Ferrari cortar o tejadilho ao 812 Superfast.

Chamam-se Monza SP1 e SP2 e tem como base o Ferrari 812 Superfast, um superdesportivo equipado com motor V12 atmosférico capaz de muita rotação e que faz chegar os 800 CV que debita apenas às rodas traseiras. Um puro sangue (Não confundir com o SUV da Ferrair, o Purosangue) que com esta conversão fica ainda mais super.

Apoiando-se na mesma base e na mesma mecânica, os Monza SP1 e SP2 receberam mais 10 CV, ou seja, têm 810 CV, abandonam o tejadilho e o conforto de um habitáculo luxuoso, com um (SP1) ou dois (SP2) lugares, apenas. Não há para brisas, nada! Ou seja, o Monza SP1 é um monolugar, o SP2 é um bilugar, pesando, por isso, mais 20 quilos que o SP1. No entanto, as sensações que ambos procuram são semelhantes: 0-100 km/h em 2,9 segundos, 0-200 km/h em 7,9 segundos e uma velocidade máxima de 300 km/h.

Estes são os dois primeiros modelos que a Ferrari lançou debaixo da marca Icona. A Ferrari Icona é uma espécie de guarda chuva que acolhe versões especiais e modelos revivalistas dos anos 50 do século passado, que recuperam uma história de glória da casa fundada por Enzo Ferrari. Todos eles serão modelos que reinterpretam esses modelos famosos e no caso do Monza SP1 e do Monza SP2, a base de partida foi o 166 MM de 1948 (que inspirou o nome Barchetta), um dos primeiros carros da Ferrari, bebendo inspiração, também, nos mais recentes 750 e 850 Monza.

Serem modelos revivalistas não impediu que toda a modernidade da sua base continue evidente, com recurso a materiais nobres do presente. Graças á carroçaria feita em fibra de carbono, o peso dos dois modelos fica abaixo dos 1600 kgs. Existe, também, um para brisas virtual (Virtual Wind Shield) que desvia parte do ar da cabeça do piloto. Porém, é impossível conduzir o Monza SP1 e o Monza SP2 sem capacete e para isso, a Ferrari criou uma coleção de roupa e acessórios (fatos, botas, luvas, calções, calças, roupa interior, capacetes, boinas, lenços, etc.) para utilizar os dois modelos, feita em colaboração com a Loro Piana e a Berluti, duas marcas de luxo.

Ao contrário do que muitos pensavam, o Ferrari Monza SP1 e SP2 vão ser produzidos, numa série de 200 unidades, cada, com um preço que deverá duplicar o do 812 Superfast.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.