Empresas portuguesas e grupo guineense lançam Internet sem fios na Guiné-Bissau

Duas empresas portuguesas e uma guineense lançaram hoje na Guiné-Bissau um serviço de Internet sem fios com o qual prometem "revolucionar o setor", alvo de críticas pela falta de qualidade existente no país até aqui.

As empresas portuguesas Elmafe, sediada em Lisboa, e Wi-Fi Antena, de Coimbra, juntaram-se à guineense Net Sem Fios, liderada pelo antigo ministro das Obras Públicas no governo de transição da Guiné-Bissau, Fernando Gomes.

A empresa está registada com o nome de Net Sem Fios e promete dar um serviço de Internet em banda larga durante 24 horas.

Para já a empresa vai operar em Bissau e vai começar a instalar o serviço na próxima semana.

A Net Sem Fios tem uma oferta para o mercado residencial que vai até 12 gigabytes de tráfego mensal por 35 mil francos CFA (53 euros) mensais e 75 mil francos CFA de instalação dos equipamentos (114 euros).

Para as empresas há uma oferta de tráfego ilimitado contra o pagamento de 135 mil francos CFA para a instalação (206 euros) e 305 mil francos CFA (465 euros) por mês.

Presente na cerimónia de lançamento da empresa, o secretário de Estado dos Transportes e Comunicações, João Bernardo Vieira, saudou "a iniciativa e a coragem" do antigo governante, mas reforçou a ideia: o serviço a ser oferecido deve ser de qualidade.

Bernardo Vieira afirmou que, contrariamente ao que se possa pensar, o mercado de Internet "é livre" na Guiné-Bissau, "embora deixe muito a desejar" em termos de qualidade de serviço prestado pelas operadoras.

"Infelizmente o serviço de Internet não tem sido o melhor", na Guiné-Bissau, observou o secretário de Estado dos Transportes e Comunicações.

MB // EL

Lusa/Fim

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.