Não é surpresa para ninguém ser a Internet um local pouco seguro e vender um bem online é sempre um foco de inquietação. O AUTOMAIS ajuda-o a vender o seu carro de forma segura!

Não há muitos meios de venda online em Portugal e passam, inevitavelmente, pelo OLX, Custo Justo, Stand Virtual e o AutoSapo. Nenhum deles é 100% seguro – não há forma da internet avaliar a candura de uma pessoa – mas todos são razoavelmente eficazes. Porém, nos sítios de venda massivos como o OLX, o escroque está ao virar da esquina e muitos são os exemplos de esquemas e aldrabices de vendedores com poucos escrúpulos. A boa noticia é que com apenas cinco dicas, podemos ajudá-lo a vender o seu carro de forma segura e maximizar o valor que um concessionário tenta, claro, ser o mais baixo possível.

Siga, então, estas cinco dicas para vender o seu carro usado em segurança na internet.

1 – Analise o comprador

Se o comprador foi uma pessoa decente, o negócio fluirá sem problemas. Mas, como identificar se o vendedor é ou não honesto sem ter de pedir ajuda à Judiciária? Em primeiro lugar, não deixa a conversa ficar nas mensagens online. Telefone para a pessoa e fale com ela. Se rejeitar o contacto telefónico, arrume tudo e fuja desse negócio, pois pode ser um meliante escondido atrás de um qualquer email. Peça sempre ao comprador para lhe dar o número de telefone e combine uma conversa. Se for um verdadeiro interessado, falará consigo, se for um aldrabão… nunca mais vai ouvir falar dele. E se a conversa for empurrada para os SMS, insista e tente sempre falar ao telefone. Se nas conversas lhe for feito um pedido estranho – numero da conta ou pedido para levar o carro a um local isolado ou que não conheça – ou algo que o deixe desconfortável (tempo para pensar, contraproposta muito baixa ou divisão em parcelas de pagamento), desista e espere por outro comprador.

2 – Aceite apenas dinheiro

Se é verdade que o limite de transações a dinheiro é de 3 mil euros, peça sempre para que o negócio seja feito em dinheiro vivo. Se for acima dos 3 mil euros, peça esse valor em papel moeda e desloque-se ao banco para que seja feita uma transferência bancária. Não vá na conversa daqueles que querem passar um cheque – depois acabará por ver que é um cheque de borracha, ou seja, bate no balcão e volta para trás – ou que querem os seus dados para fazerem a transferência. Faça a transferência no banco para evitar que seja anulada a transferência antes de você esfregar o olho. Abaixo dos 3 mil euros, aceite, apenas, dinheiro.

3 – Não esteja ansioso

Muitos dos esquemas que burlam vendedores estão ligados à ansiedade destes em despachar o negócio. Um comprador sério quererá fazer perguntas sobre o veículo, algumas delas ridículas, é verdade, mas necessárias. É que se como vendedor não quer ser enganado, o comprador está no mesmo barco. Permita que o comprador leve um mecânico para avaliar o carro e dê um prazo razoável (48 horas) para ponderação do comprador depois dessa avaliação.

4 – Encontre-se, sempre, numa zona segura

Quando o negócio chegar ao ponto em que comprador vai encontrar vendedor, certifique-se que escolha um local movimentado ou que esteja debaixo da vigilância, como sucede já em algumas cidades portuguesas. Se tem dúvidas sobre o local escolhido, procure outro ou leve pelo menos um amigo consigo. Se tiver acordado um ensaio com o carro, peça para ver a carta de condução e se a desculpa for “esqueci-me” ou “não a trouxe”, acabe ali o negócio.

5 – Evite demasiada conversa

Muitos golpes começam com histórias comoventes, pedidos de ajuda ou coisas mais estranhas como enviar o carro para fora do país. A questão da pandemia de Covid-19 é um excelente argumento para historietas que emocionam os outros e amolecem as defesas. Se for esse o caso, faça perguntas, embora o melhor conselho seja dizer “lamento, mas estamos a tratar de um negócio, quer continuar ou não?” Se a conversa continuar, está na hora de acabar a conversa e esperar por outro comprador.