PSD questiona Governo sobre alegado conflito de interesses na RTP

O PSD enviou perguntas ao Governo sobre três alegados conflitos de interesse na televisão pública, lançando suspeitas sobre a administração.

O PSD enviou perguntas ao Governo sobre três alegados conflitos de interesse na televisão pública, lançando suspeitas sobre a administração.

O PSD questionou o Governo sobre o alegado conflito de interesses de administradores da RTP com empresas que são clientes da televisão estatal, denunciado pela Comissão de Trabalhadores. Numa pergunta enviada ao Ministério da Cultura, através do parlamento, os sociais-democratas questionam se é possível existirem “situações de natureza concorrencial” que possam “indiciar conflito de interesses” e levantam dúvidas sobre as opções da administração.

O PSD cita um comunicado da CT da RTP que levanta três situações de alegado conflito com Nuno Artur Silva, administrador e proprietário da empresa “Produções Fictícias”, e Daniel Deusdado, diretor de programação que, à data da nomeação, era dono da empresa Farol de Ideias. Outra das questões relaciona-se com o ator Virgílio Castelo, consultor da RTP para a ficção, que dá pareceres sobre projetos em que participa como ator.

Se for verdade o que a CT afirma, conclui o PSD, é “uma violação ao princípio de isenção e de transparência” da administração de uma empresa pública. Os sociais-democratas questionam também se são verdadeiras as afirmações da CT de que na RTP “vive-se um caos interno”, causado por uma “gestão sem controlo, sem rumo e em desespero”.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Desporto, Atualidade, Entretenimento, Tecnologia, Lifestyle e Motores.