Hotelaria no Algarve tem 5.000 empregos por preencher

O setor da hotelaria diz que tem pelo menos cinco mil vagas de emprego no Algarve. Os sindicatos estão a pedir melhores condições às empresas.

Existe oferta, mas os baixos salários não atraem. É este o cenário do mercado de trabalho no Algarve, este verão, onde existem pelo menos cinco mil postos de trabalho disponíveis na área da hotelaria, segundo o Público deste domingo. É a sazonalidade a funcionar num momento em que os portugueses rumam a sul. O IEFP até dá 200 euros por mês para quem for para o Algarve trabalhar.

Em causa está a possibilidade de aceder ao apoio à mobilidade no mercado de trabalho, uma medida do Instituto de Emprego e Formação Profissional que está a fazer uma campanha nacional para angariar candidatos, avança o diário. Por ocupar estão milhares de vagas: “São necessárias pelo menos mais cinco mil pessoas para preencher as vagas”, diz o presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas.

Marques Mendes copiou mal. Desemprego baixou para 9,2%

Mas as condições das ofertas, principalmente a remuneração, parecem não atrair a força de trabalho. O problema é evidenciado pelo presidente do Sindicato da Hotelaria e Turismo do Algarve, Tiago Jacinto: “Por que não são melhoradas as condições de trabalho e atualizados os salários, congelados desde 2009?

As queixas alargam-se à própria Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), que o sindicato acusa de não estar a “exercer a fiscalização que lhe compete”. “A falta de mão-de-obra está a fazer com que um trabalhador seja obrigado a fazer o dobro do serviço que vinha a desempenhar, ou mais, auferindo o mesmo salário – e, em média, os ordenados rondam os 600 euros/mensais”, alerta Tiago Jacinto.