Esquerda quer mais dez euros nas pensões já em janeiro

Governo está a negociar com PCP e BE as medidas para o Orçamento do Estado de 2019. Pensões são uma das prioridades, com a esquerda a querer acabar com o aumento extraordinário em agosto.

PCP e o Bloco de Esquerda estão a negociar com o Governo uma subida mínima de dez euros nas pensões da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações logo em janeiro, acabando com o aumento extraordinário que nos últimos dois anos foi aplicado somente a partir de agosto, diz o Correio da Manhã (acesso pago).

Em cima da mesa das negociações está um aumento das pensões de reforma decorrente da lei, para os que têm reforma até 857 euros, (2xIAS – Indexante de Apoio Social) e que garante a dois terços dos reformados um aumento real da pensão de 0,5% (acima da inflação). Mas os partidos que suportam a solução governativa de António Costa querem mais. E em janeiro, não em agosto.

O PCP foi o primeiro a anunciar, no início deste mês, que propôs “um aumento extraordinário de dez euros para as reformas e pensões, a partir de janeiro“, de forma a “mitigar a perversão do mecanismo de atualização anual das reformas”. E o BE pede o mesmo.

Em declarações ao Correio da Manhã, José Soeiro confirmou que a intenção do BE é assegurar o patamar mínimo de dez euros logo no início do ano. “É justo e é exequível”, adianta o deputado bloquista, lembrando que, fruto do crescimento económico que se tem registado, o aumento decorrente da lei já quase assegura esse valor.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.