MotoGP – Miguel Oliveira: “Tudo é ainda muito estranho”

Primeiros passos como piloto da classe maior

Miguel Oliveira cumpriu ontem o primeiro dia como piloto de MotoGP no arranque dos testes oficiais de preparação da nova época, que estão a decorrer no circuito valenciano Ricardo Tormo.

O início de uma nova etapa na carreira do agora piloto da KTM Tech 3, que ficou satisfeito com o trabalho desenvolvido, mas ciente de que tem pela frente muito trabalho de adaptação a uma nova categoria, depois de três anos em Moto2.

“Estou muito feliz por estar oficialmente em MotoGP. É óbvio que tudo parece muito estranho nesta altura. Aproveitei as voltas que realizei para tentar obter uma boa sensação dos comandos da moto como o acelerador, travão, caixa de velocidades. Tentei igualmente perceber como funciona a eletrónica desta nova moto. Estamos só a  começar esta aventura. Foi pena não ter podido rodar mais. Esperava ter completado mais voltas, mas o tempo esteve instável” disse o piloto luso.

Quanto a diferenças para o Moto2, estas são claras. “Em Moto2 deslizamos muito nas entradas de curva, o que nos ajuda mais a criar referências. Em MotoGP não deslizamos tanto ao entrar nas curvas, o que torna mais difícil confiar só na frente para virar a moto. Obviamente sei que fui ainda muito lento e que posso fazer muito mais do que aquilo que fiz”, explicou o vice-campeão do mundo de Moto2.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.