Apanhamos a saga de Rossi na sua quarta época na classe rainha. Por muitos dizerem que a razão do sucesso de Rossi em 2003 foi o domínio da Honda RC211V, era inevitável que a Honda e Rossi se separassem. Rumores a meio da época apontavam para uma possível mudança para a Ducati, o que deixou a imprensa italiana num frenesim; Rossi na marca italiana parecia bom demais para ser verdade, mas por inúmeras razões Rossi recusou a oferta.

Os críticos dizem que, em comparação com os outros fabricantes, a Ducati tinha um longo caminho a percorrer antes de ser competitiva mesmo com Rossi ao leme.

Rossi deu outra razão para escolher a Yamaha em vez da Ducati, dizendo que a mentalidade da Ducati Corse era semelhante à de que estava a tentar escapar na Honda. Por fim, Rossi assinou um contrato de dois anos com os rivais Yamaha, alegadamente por mais de 12 milhões de dólares, um preço que nenhum outro fabricante, mesmo a Honda, estava disposto a pagar.

Rossi em luta com Stoner e Lorenzo

Rossi fez a mudança para a Yamaha e a temporada de 2004 começou em Welkom, na África do Sul. Rossi conquistou a pole e venceu a corrida depois de uma dura batalha com Max Biaggi, tornando-se o único piloto a vencer corridas consecutivas com diferentes fabricantes.

Conquistou mais uma pole em Espanha, mas o seu quarto lugar foi o fim de uma série de 23 corridas no pódio. Voltaria a falhar o pódio em França, mas responderia com três vitórias em Itália, na Catalunha, e na ronda Holandesa.

Ao chegar à ronda do Rio de Janeiro, Rossi caiu quando perdeu a frente da sua M1 enquanto lutava com Makoto Tamada, Max Biaggi, Nicky Hayden e Alex Barros, retirando-se da corrida. Depois da ronda do Rio, Rossi voltaria a ficar fora do pódio no quarto lugar do GP da Alemanha, mas recuperou ao vencer a ronda britânica saído da pole. Depois, terminou em segundo lugar na República Checa, primeiro em Portugal e em segundo, mais uma vez, no Japão.

Na ronda inaugural do Qatar, a controvérsia surgiu quando a Rossi foi penalizado por ter limpo o seu lugar na grelha, tendo de começar de último. Gibernau venceu a corrida, enquanto Rossi caiu quando seguia na sexta posição. Apesar deste segundo desaire da temporada, Rossi marcaria uma pole que converteu numa vitória na Malásia e mais duas vitórias nas rondas Australiana e Valenciana, lutando com Troy Bayliss, Nicky Hayden, Makoto Tamada e Max Biaggi para conquistar a nona vitória do ano.

Assim, Rossi terminou em primeiro lugar com 304 pontos, e conquistou o seu terceiro título de MotoGP, quarto na classe rainha e sexto campeonato Mundial na penúltima corrida da temporada em Phillip Island, batendo Gibernau por apenas 0,097 segundos.

Em 2005, Rossi e a equipa Yamaha revelaram-se ainda mais dominantes do que no ano anterior. Rossi começaria imediatamente a vencer em Espanha de forma controversa, colidindo com a Honda Gresini de Sete Gibernau na última volta. Viria a fazer um segundo lugar em Portugal, mas somaria cinco vitórias consecutivas da China até à ronda holandesa, incluindo três pole positions em França, Itália e Assen.

Na primeira ronda dos Estados Unidos desde 1994, Rossi terminaria em terceiro lugar, enquanto o herói local Nicky Hayden venceu a corrida. Rossi recuperaria com mais três vitórias, partindo de uma na Grã-Bretanha e de duas vitórias na Alemanha, afastando Gibernau na última volta, e na República Checa.

O primeiro e único lugar fora do pódio e desistência da temporada de Rossi aconteceu na ronda japonesa, quando colidiu com Marco Melandri durante uma tentativa falhada de ultrapassagem.

Depois de Motegi, Rossi recuperou ao marcar um pódio com segundo lugar na Malásia e vitórias consecutivas no Qatar e na Austrália, batendo Nicky Hayden pela vitória. Terminou a temporada com um segundo e terceiro lugar nas rondas da Turquia e da Comunidade Valenciana.

Mais uma vez, Rossi terminou a temporada no primeiro lugar com um total de 367 pontos, 147 pontos à frente do segundo classificado Marco Melandri e assim conquistou o seu quarto título de MotoGP. Venceu 11 corridas, incluindo vitórias em três corridas afetadas pela chuva em Xangai, Le Mans e Donington.

A temporada de 2006 começou com Rossi mais uma vez favorito. No entanto, na primeira ronda em Espanha, teria azar quando Toni Elías julgou mal o seu ponto de travagem e bateu na roda traseira de Rossi. Este voltaria à corrida, mas só terminaria em 14º lugar. Na corrida seguinte no Qatar, viria a somar a sua primeira vitória da temporada, mas acabaria fora do pódio na Turquia.

Entrando na terceira ronda na China, desastre voltaria a atacar quando foi forçado a retirar-se depois de passar da 13ª para a quinta posição e de lutar com Colin Edwards e John Hopkins pela terceira posição. Um pedaço de borracha do pneu dianteiro tinha sido projetado, derrubando-o da moto.

Lutas com Pedrosa na Honda eram frequentes

As coisas não melhoraram para ele na ronda seguinte em França, quando abalroou Dani Pedrosa, fazendo Rossi desviar e bater em Randy de Puniet. Depois de subir até à segunda posição, Rossi ultrapassou Hopkins na quinta volta e começou a distanciar-se de Pedrosa. Liderava confortavelmente no primeiro lugar, com uma diferença de mais de três segundos, até que a sua Yamaha atingiu um problema mecânico na volta 21, obrigando Rossi a retirar-se pela segunda corrida consecutiva. Rossi deixaria Le Mans no oitavo lugar do campeonato com um défice de 43 pontos para Nicky Hayden.

Depois de duas corridas dececionantes, Rossi recuperou com duas vitórias: uma vitória em Itália e outra na Catalunha. Na ronda holandesa, só terminaria em oitavo lugar depois de magoar a mão e o tornozelo quando caiu na quinta-feira. A corrida foi ganha por Nicky Hayden, que lutou com Colin Edwards na última volta. Edwards tentou passar por Hayden, mas saiu largo e acabou por cair na última curva.

Com o resultado dececionante em Assen, Rossi ficaria em segundo lugar na Grã-Bretanha e mais uma vitória na Alemanha, lutando com unhas e dentes com as três Honda de Marco Melandri, Nicky Hayden e Dani Pedrosa. No entanto, voltaria a retirar-se nos Estados Unidos devido a problemas mecânicos nas últimas voltas, enquanto Nicky Hayden venceu o evento pela segunda vez consecutiva. Isto ampliou a vantagem de Hayden sobre Rossi para 51 pontos, deixando Rossi no quarto lugar no campeonato.

Entrando na 12ª prova na República Checa, Rossi fez um segundo lugar e venceu a próxima na Malásia. Hayden manteve a liderança dos pontos durante a maior parte da temporada, mas por esta altura Rossi estava lentamente a subir na hierarquia. Um terceiro lugar na Austrália e mais um segundo no Japão viram os pontos de vantagem de Hayden reduzidos de 51 pontos em Laguna Seca para 12 pontos em Motegi, e Rossi passar do quarto para o segundo lugar da classificação.

Na penúltima ronda da temporada no Estoril, Rossi conquistou a pole position. Quando Hayden foi eliminado pelo seu companheiro de equipa Dani Pedrosa na 5ª volta, fazendo com que ambos se retirassem, Rossi parecia garantido. Na última volta, Toni Elías venceria a corrida com uma vantagem de 0,002 segundos sobre Rossi, mas mesmo 2º levou Rossi a assumir a liderança por 8 pontos.

Na ronda da Comunidade Valenciana, Rossi precisava de terminar em segundo ou melhor para conquistar o título. Fez a segunda pole consecutiva, enquanto Hayden só conseguiu qualificar-se em quinto lugar. No entanto, Rossi teve um mau arranque que o deixou em sétimo lugar. Na quinta volta, a dianteira da sua M1 derrapou e Rossi terminaria em 13º lugar, perdendo o título para Nicky Hayden por cinco pontos. Depois da corrida, Rossi chamou a sua queda “um desastre”, mas também felicitou Nicky pelo título.

Depois do título perdido em 2006, as MotoGP passaram de 990cc para 800cc e durante o inverno, a Yamaha trabalhou numa nova moto tanto para Rossi como para Colin Edwards.

Na abertura da temporada no Qatar, Rossi conquistou a sua primeira pole mas ficou em segundo lugar para Casey Stoner na Ducati. Rossi venceu então a segunda corrida em Espanha mas na Turquia, saído da pole, acabaria na décima posição depois de sair largo no arranque quando se esforçava por se afastar na primeira volta.

Rossi lutou para voltar ao segundo lugar, ultrapassando Loris Capirossi na nona volta, mas perderia posições rapidamente depois dos pneus Michelin começarem a degradar-se, o que permitiu a Toni Elías, Capirossi, John Hopkins, Marco Melandri e Alex Barros ultrapassá-lo em três voltas. Stoner venceu a corrida e ganhou uma vantagem de 10 pontos sobre Rossi.

Rossi responderia na China, estabelecendo mais uma pole position e terminando no segundo lugar depois de lutar duramente com Stoner. Na ronda francesa, Chris Vermeulen, da Suzuki, venceu a corrida à chuva. Rossi começou bem e até ultrapassou Stoner no início da corrida, mas quando a chuva se intensificou, a sua YZR-M1 ficou em dificuldades e foi ultrapassada por Stoner, Randy de Puniet, Sylvain Guintoli e mais tarde também Nicky Hayden, Dani Pedrosa e Alex Hofmann. Rossi acabaria por terminar em sexto, enquanto Stoner terminaria em terceiro, ampliando a sua liderança no campeonato para 21 pontos.

Rossi celebra 100 vitórias em MotoGP

Em Itália, Rossi viria a vencer a sua primeira corrida da temporada e na sétima jornada da Catalunha, passaria a linha de meta no segundo lugar depois de uma dura batalha com Stoner, em que Rossi perdeu por apenas 0,069 segundos.

Na Grã-Bretanha, Rossi ficaria fora do pódio em quarto, mas recuperou na ronda holandesa em grande estilo ao vencer a corrida ao partir do 11º lugar da grelha.

Depois da grande vitória de Rossi em Assen, teria azar quando caiu na quinta volta da ronda Alemã e foi forçado a retirar-se. Tinha começado mal, ao baixar de sexto para nono na primeira volta, mas quando tentou apertar a Kawasaki de Puniet, perdeu a frente da sua M1 a baixa velocidade acabou na gravilha. Rossi ganharia então mais pontos ao terminar no quarto e sétimo lugares nas rondas dos Estados Unidos e da República Checa, mas por essa altura Stoner tinha acumulado uma diferença de 60 pontos sobre Rossi.

Rossi voltaria a não acabar no novo San Marino, enquanto Stoner conquistou a oitava vitória da temporada, aumentando a sua vantagem no campeonato para 85 pontos. Na ronda seguinte em Portugal, Rossi venceria a sua última corrida da temporada depois de uma luta renhida com a Honda de Dani Pedrosa.

Rossi subiu do quinto para o terceiro lugar na volta inaugural, ultrapassando Stoner na volta nove, depois de Pedrosa ter feito o mesmo duas voltas antes. Depois ultrapassou Pedrosa na volta dez para vencer a sua quarta corrida da temporada.

Na ronda japonesa, Rossi sofreu problemas de travagem na sua segunda moto, depois de todos os pilotos terem sido obrigados a trocar de moto devido à pista húmida, terminando na 13ª posição. Isto foi o suficiente para Casey Stoner se sagrar campeão do mundo em 2007.

Rossi viria a subir ao último pódio na Austrália, mas na última corrida da temporada, saiu do 17º lugar devido a uma fratura de três ossos na mão direita após uma queda na qualificação e não acabou pela terceira vez na temporada.

Esta foi a posição mais baixa de Rossi no campeonato desde a sua primeira temporada em 1996.

(continua)