De acordo com o team manager Davide Tardozzi, a decisão sobre incluir Jack Miller na equipa de MotoGP da Ducati Corse está iminente, “mas ainda não foi tomada”, diz ao mesmo tempo o gestor.

A promoção de Jack Miller à equipa de fábrica da Ducati tem sido um fator dominante durante semanas no carrossel de pilotos para a próxima temporada. Isto apesar de nem um quilómetro de corrida ter sido disputado até agora devido à pandemia do Coronavírus.

Davide Tardozzi, diretor de equipa da Ducati, confirma agora as possibilidades de Jack Miller.

O australiano de 25 anos de Townsville mostrou talento nalgumas corridas fortes em 2019 com a Desmosedici de fábrica da equipa Ducati Pramac e subiu ao pódio cinco vezes no total. Em comparação, Danilo Petrucci, piloto de fábrica da Ducati, chegou ao pódio apenas três vezes, mas uma vez como vencedor em Mugello.

“Já discutimos este tema internamente e com o próprio Jack. Estamos muito perto de tomar uma decisão”, disse Davide Tardozzi à emissora britânica BT Sport. “Mas ainda não acabou tudo”, apressou-se a acrescentar.

Caso Jack Miller garanta o seu lugar na equipa de fábrica de MotoGP para 2021, a pressão sobre a dupla Danilo Petrucci, de 29 anos e Andrea Dovizioso, de 34, fica ao máximo. No caso de Miller, um contrato à prova de bala teria de ser desenhado para o caso dele encontrar uma opção ainda mais atraente, o que não parece possível.

Entre Dovizioso e Petrucci, o ímpeto neste momento é provavelmente mais com o vice-campeão mundial de Forli. Mas a Ducati provavelmente só tomaria essa importante decisão depois de algumas corridas. Petrucci mudou-se da sua cidade natal de Terni para norte para treinar com Dovizioso no motocross. “Petrux” até comprou um apartamento perto da residência de Dovi.

Petrucci é gerido por Alberto Vergani, já Dovizioso conta com as capacidades de negociação de Simone Battistella, que não conseguiu chegar a acordo com a Ducati para Álvaro Bautista para o Campeonato do Mundo de Superbike depois de 2019.