Alberto Puig não escondia a sua desilusão face a uma época magra para a Honda na conferência de imprensa pré-evento para o Grande Prémio MEO de Portugal

“O começo do ano para o Alex foi mesmo difícil!”

“Claramente, para uma equipa que estava habituada a ganhar tudo nos últimos anos, não ganhar nada, como vai acontecer este ano, é uma grande desilusão, e claro que não é um bom resultado!”

“Na ausência do Marc, percebemos a dada altura que não íamos ter a hipótese de sermos competitivos, com os nossos outros pilotos, mas gostava de acabar com esta coisa da Honda só servir para o Marc!”

“Por outro lado, tínhamos os nossos regulares, com o Nakagami a ser muito rápido e tivemos que trazer o nosso piloto de teste Bradl para a equipa para substituir o Marc…”

“O começo do ano para o Alex foi mesmo difícil, mas depois, de repente, a meio do ano, ele deu um grande passo e o nosso piloto de testes, de estar a 3 segundos dos pilotos rápidos como piloto de testes, de repente estava muito rápido..”

“Claro que não era aquilo a que estamos habituados, mas concentrámo-nos na positiva e continuámos.”

“Nada dura para sempre, e de alguma maneira nós tentamos fazer o melhor que podíamos com a moto, e compreender melhor o futuro, é o que temos estado a fazer.”
“Se virmos o que se conseguiu fazer este ano com a moto, é claro que estamos contentes, o desenvolvimento para o ano está congelado, todos perceberam isso, portanto acho que temos uma boa direção para o futuro.”

“Para o ano, o Alex vai ter mais experiência e o Marc vai estar de volta e acho que estaremos prontos com a chegada do Pol, com o toda a experiência que ele traz da KTM decerto nos ajudará e será também muito forte com certeza a partir do dia um!”