É uma notícia triste que nos chega de Espanha. O desastre do Coronavírus já reivindicou as primeiras vítimas na família mais próxima dos membros do MotoGP.

O Coronavírus já matou mais de 6.000 pessoas em Itália e a situação na Espanha tornou-se dramática num curto período de tempo, com mais de 2.300 mortes.

Quase todos nestes países conhecem alguém afetado, ou até mesmo um membro da família que tenha o Covid-19.

Da Espanha, ouvimos hoje que o piloto da Ducati MotoGP, Tito Rabat, da equipe Reale Avintia, está consternado com a morte dos avós. O seu avô Esteve Rabat morreu na terça-feira passada após uma longa doença, e agora foi a avó Rosa Rabat Bruguera, que sofria do coronavírus e morreu na sexta-feira aos 90 anos.

Em Itália, a equipa da LCR Honda também tem alguém de luto. O coordenador da equipa e diretor desportivo de longa data Óscar Haro, que já tinha trabalhado para Stefan Bradl de 2012 a 2014 e agora cuida de Cal Crutchlow e Takaki Nakagami, lamenta a morte do seu pai, que pertencia à faixa etária dos maiores de 75 anos.

“O meu pai estava no grupo de risco, mas ele não teria morrido se houvesse ventiladores suficientes no hospital”, disse Óscar Haro, profundamente abalado. Ele disse que, na Espanha, pacientes com mais de 70 anos já não estavam a ter acesso a ventiladores.

“O médico do pai ligou-me a pedir permissão para deixá-lo morrer.”

E para o diretor desportivo da LCR o pior ainda não passou, porque a mãe dele também está contaminada com o vírus.