Fomos perguntar ao piloto Sam Lowes, da EG 0.0 Marc VDS em Moto2, como passa os dias enquanto está em confinamento devido ao surto de coronavírus.

O britânico continua a recuperar da lesão no ombro ao mesmo tempo que está a desfrutar de tempo de qualidade com a família, e pretende entrar em novos territórios num futuro próximo… a cozinha!

Como está e como vive nesta situação atual?

“A situação que estamos a passar a nível global é muito complicada. Temos de estar conscientes disso, ouvir aqueles que sabem e unir-nos para ultrapassar os tempos difíceis que atravessamos. Vou passar estas semanas em casa, em Inglaterra, com a minha noiva e a minha filha. Felizmente, nós três estamos bem e estamos a tentar aproveitar ao máximo este tempo juntos.”

Como está o seu dia-a-dia?

“Levanto-me cedo porque o meu ombro não me deixa dormir muito. A minha filha Kathryn também acorda cedo, por isso brincamos imediatamente e tomamos o pequeno-almoço. Depois costumo fazer exercícios de alongamento e recuperação para o meu ombro. Na Inglaterra, podemos correr uma vez por dia e aproveito a oportunidade para o fazer. No meio do dia, comemos e relaxamos um pouco vendo TV. À tarde, eu jogo com Kathryn no jardim onde também tento praticar golfe! Para terminar o dia faço mais alguns exercícios, especialmente para me recuperar do ombro, jantar e ir para a cama!”

Qual é o melhor e o pior desta situação atual?

“O melhor é que estou com a minha noiva e a minha filha e podemos partilhar tempo de qualidade e paz de espírito. Além disso, estou a ganhar tempo de recuperação extra valioso. O pior, para além do facto de sentir falta de corridas de moto e dos Grandes Prémios, é que esta crise tem a ver com a saúde das pessoas e não sabemos como ou quando será resolvida. Ver as pessoas sofrer com a sua saúde e estar preocupado com a saúde dos seus entes queridos, com a incerteza acrescida de não saber, é muito difícil.”

Descobriu novas habilidades em casa hoje em dia?

A verdade é que estou a envolver-me muito no trabalho doméstico e sou o melhor a fazer o pequeno-almoço da minha noiva. Ainda não me atrevi a ir muito à cozinha, mas será o próximo território a ser conquistado! Deixo a cozinha a tremer!”

Pode recomendar-nos… Um livro:

“Ego is the Enemy’, Ryan Holiday”

Uma série:

“Suits’ – a minha série favorita”

Um filme:

“Top Gun”

Atividade a fazer em momentos aborrecidos:

“Alongamentos”

Como está o seu ombro?

“Não está perfeito, mas está a melhorar. Todos os dias me sinto mais forte e estou a ficar mais móvel. Ainda me incomoda à noite e é difícil para mim dormir bem, mas a melhoria é ótima. Precisava de mais tempo para o preparar. Não gosto de o ter por causa de uma situação destas, mas estou a aproveitar-me dela e a otimizá-la o máximo que posso para recuperar a 100%.”.

Como se mantém em forma em quarentena?

“Estou a treinar diariamente. Concentro-me principalmente em correr para a cardiologia e também faço exercícios gerais de tonificação e reabilitação do ombro em casa.”

Até que ponto é difícil manter-se concentrado e treinar sem saber a data de regresso?

“Não é fácil planear uma preparação física ideal sem saber a data para quando temos de estar 100% preparados e fisicamente aptos. Tento manter-me positivo e manter-me em forma e quando mais detalhes forem conhecidos, entraremos ainda mais profundamente no treino. Estou motivado, positivo e focado nas coisas que posso controlar. O mais importante é vencermos coletivamente o vírus e superamos a pandemia para voltar ao normal. Assim que o fizermos, podemos focar-nos na nossa paixão e em correr novamente.”

O início do ano tem sido duplamente estranho para si, já que não foi capaz de andar devido à lesão…

“A verdade é que tudo tem sido estranho tanto na pré-temporada como na abertura da temporada. A lesão alterou todos os planos. Trabalhei muito para poder voltar a andar de moto no Qatar e em parte, estou feliz, porque consegui. Na sexta-feira, podia andar e fiz mais de 20 voltas com uma progressão constante. Estava entusiasmado com o progresso, mas a dor no meu ombro e o bom senso da equipa fizeram-me perceber que não valia a pena arriscar agravar a lesão em caso de queda. Não vou negar que estava zangado e que não gostei de ver a primeira corrida da garagem, mas visto em perspetiva, tomámos a melhor decisão.”

E depois do primeiro Grande Prémio, como vê a temporada em Moto2?

“Este ano a concorrência na categoria será mais apertada do que nunca. Há muitos pilotos que mostraram que podem ir muito rápido nos testes e no primeiro Grande Prémio. Fazer uma lista de favoritos neste momento é quase impossível. Estou convencido de que será uma temporada emocionante, com muitas surpresas e um grande grupo de nomes a lutar pelos lugares cimeiros. Estou ansioso para voltar a ver a temporada no caminho certo e construir uma base sólida para o futuro.”