Josep García brilhou em Portimão com uma vitória em E1 e um
segundo lugar no Scratch no ISDE de Portugal.

O piloto da Red Bull KTM Factory Racing Team foi o mais rápido em Enduro 1 na prova deste ano, estabelecendo o segundo melhor tempo absoluto da 94ª edição dos Seis Dias de Enduro em Portugal.

“Chegamos a Portimão logo após a última prova do Nacional, em Lalín, sem muito tempo para poder as especiais. Durante os primeiros dois dias foi tudo em areia. Saí-me bem, mas o Sanders aproveitou a potência da sua 500. Apesar disso, fiquei em segundo lugar no Scratch e primeiro na minha categoria, E1. A partir daí, as coisas ficaram um pouco mais equilibradas”.

Tendo já surpreendido o mundo inteiro em 2017, depois de
vencer o Campeonato do Mundo de E2 e a sua categoria no ISDE em França, Josep
Garcia voltou à competição internacional por equipas dois anos mais tarde,
pronto a demonstrar, desta vez em Portugal, que continua a ser um dos pilotos
mais rápidos da sua disciplina nem todo o mundo.

Durante os dois primeiros dias, o jovem piloto catalão lutou
com Daniel Sanders para conseguir o melhor tempo nas exigentes especiais de
areia. Numa batalha desigual contra a poderosa
500 do australiano, Josep Garcia soube manter o equilíbrio após a
mudança de cenário e a chegada das especiais mais técnicas. A KTM conquistou a
vitória absoluta no quinto dia e no último dia, no clássico evento de cross que
põe fim aos Seis Dias de Enduro, onde além de vencer na sua categoria, E1,
conseguiu novamente o melhor tempo no Scratch.

“Na verdade, eu poderia ter vencido o terceiro dia se não tivesse ido ao chão por causa de um fio quando abri uma das especiais. O quinto dia foi muito mais técnico, num terreno mais duro e variado, onde finalmente consegui ganhar o Scratch. No último dia, ganhei na minha categoria e consegui o melhor tempo na geral”.

Desta forma, García encerra a temporada internacional da melhor
forma, com uma vitória em Enduro 1 na edição de 2019 do ISDE, evento onde
também alcançou o segundo melhor tempo na geral e o quarto na competição por
equipas, ficando a apenas um passo do pódio final do Troféu Mundial.

“Como equipa, terminámos em quarto lugar depois de termos tido bastante azar nos primeiros três dias, principalmente depois da queda do Tosha [Schareina], que o deixou fora da corrida. Apesar disso, acho que foi um ISDE para recordar. Agora temos que recuperar um pouco e terminar o ano da melhor maneira no Enduroc”.

Foto: ISDE