Com o adiamento para 2022 dos novos regulamentos da Fórmula 1 em virtude da pandemia de coronavírus de 2020, as temporadas de 2020 e 2021 da F1 serão os anos em que apostamos as fichas todas numa luta sem quartel entre Mercedes, Ferrari e Red Bull.
Porque dizemos isto? Em primeiro lugar porque porque não haverá uma guerra tecnológica, pois o regulamento não conheceu, pela primeira vez, mudanças palpáveis ou decisivas e isso vai estender-se a 2021. Nesse contexto, quem estava mais atrás tem agora hipótese de recuperar a margem, e acreditamos que é mais fácil chegar à frente do que quem lá está encontrar margem para ir ainda mais longe.
Por isso mesmo, o foco estará na luta entre pilotos e acreditando naquilo que 2019 nos disse no final da temporada, tanto Ferrari como Red Bull foram capazes de vencer a Mercedes, com Max Verstappen, Charles Leclerc e Sebastian Vettel, a vencer no ocaso da temporada e Valtteri Bottas a também conhecer o sabor da vitória. É verdade que os títulos estavam decididos, mas foi um bom indicador. E a partir daqui podemos sonhar: primeiro título de Max Verstappen? Charles Leclerc poderá ter a consistência necessária para dar à Ferrari novo título de pilotos? Conseguirá Sebastain Vettel ultrapassar as suas insuficiências, arranjar motivação e conquistar o quinto título de pilotos? Será que Valtteri Bottas na versão 2.0 consegue aproveitar ter um Mercedes nas mãos para ‘roubar’ o título a Hamilton como Rosberg fez em 2016? Tudo isto só será possível se Lewis Hamilton se distrair. E dentro de uma semana vamos começar a ter os primeiros dados para analisar. Até lá são tudo projeções falíveis…