O chefe da Scuderia Ferrari, Mattia Binotto continua a negar que a Ferrari esteja em crise, mas ao mesmo tempo ‘chancela’ opiniões dos seus pilotos quanto estes avaliam que a situação está muito má: “Depois de Monza, o Sebastian (Vettel) disse que não podia ficar pior, e ele estava certo”, disse Binotto à televisão RAI 3: “Mas estamos a trabalhar para melhorar a situação e ela só pode melhorar a partir daqui”.
Explicando o problema central de toda esta a situação e deixando quase a certeza que este não terá solução, sequer a médio prazo, Binotto admite que a potência do motor da Ferrari foi um sucesso o ano passado, e esperava que assim continuasse em 2020, mas houve ‘algo’ pelo meio, que como todos sabemos, se tratou da decisão da FIA impedir a Ferrari de fazer o que estava a fazer com o seu motor, numa decisão que não foi conhecida publicamente: “Desenvolvemos um carro com base numa vantagem que hoje já não temos. Como chefe da equipa, se eu tivesse de fazer um mea culpa diria que não compreendi as dificuldades deste carro mais cedo”, disse Binotto que admite ainda que Mugello será mais um fim-de-semana difícil, o que poderá ser dececionante para os cerca de 3000 espetadores italianos presentes: “Espero que compreendam em que tipo de situação nos encontramos”, disse Binotto, que também falou de Charles Leclerc: “Creio que Charles não só deve enfrentar a situação, como deve ajudar a equipa a sair dela. Ele ainda tem apenas 22 anos, pelo que deve crescer como pessoa e como líder”.