Lewis Hamilton disse que a Red Bull não tratou Gasly de forma justa, e Helmut Marko não gostou das palavras do inglês e ripostou.
Na sequência da vitória de Pierre Gasly no GP de Itália, logicamente muitas das atenções se viraram para o francês. Quando se vê Alexander Albon com muitas dificuldades em se impor na Red Bull, levantam-se vozes quanto à possibilidade de nova troca. É natural, hoje em dia é assim que funciona, mas como sempre não só a maioria tem memória curta, como anda ao sabor das marés. Já poucos se lembram do rol de erros e maus resultados que Gasly teve na Red Bull. Algo exatamente igual está agora a suceder com Albon.
Até Lewis Hamilton se ‘meteu’ no assunto, ao dizer que o vencedor de Monza, Pierre Gasly “não foi tratado de forma justa” pela Red Bull no ano passado: “Não creio que tenha sido fácil para ele como piloto, não é fácil recuperar a confiança noutra equipa, por isso estou realmente impressionado. Ele mereceu este sucesso e isso deve levá-lo mais longe. Penso que vencer a equipa que o despromoveu deve prejudicá-los”, acrescentou Hamilton, que anteriormente já tinha sugerido que Max Verstappen precisa de um melhor companheiro de equipa.
Mas como era de esperar, Helmut Marko respondeu. E a primeira coisa que disse foi que Hamilton tinha defendido a despromoção de Gasly no ano passado: “A verdade é que o Lewis falou com o Christian (Horner) num avião no ano passado e recomendou que Albon fosse colocado no carro em vez de Gasly”, disse à Sport1: “Isso foi antes da troca que fizemos após as férias de verão. Não faço ideia porque é que o Hamilton continua a encontrar a necessidade de nos aconselhar, mas não nos interessa opiniões vindas de fora. Queremos tornar Alpha Tauri ainda mais forte no futuro e isso significa que precisamos de um líder de equipa. Para além disso, é difícil para qualquer piloto, incluindo Gasly e Albon, serem companheiros de equipa de Verstappen. Todos caem contra ele. Mas a crítica a Albon não é inteiramente justa pois não só tem tido azar como cometemos erros estratégicos que afetaram o seu desempenho. Mas continuamos a acreditar que pode cumprir o que lhe pedimos”.