Elfyn Evans/Scott Martin (Toyota Yaris WRC) venceram o Rali da Turquia, naquela que é a sua segunda vitória do ano, terceira da carreira, o que aliado ao abandono de Sebastien Ogier/Julien Ingrassia (Toyota Yaris WRC), que já no último dia de prova viram o motor do Yaris ‘arder’.
Desta forma, o galês posiciona-se bastante bem na luta pelo campeonato, já que fica com 18 pontos de avanço para Ogier, isto quando faltam apenas dois ralis para o fim do campeonato. Há 60 pontos em jogo, na próxima prova, na Sardenha, Evans vai ter dificuldades devido à ordem de partida, mas dezoito são muitos pontos e podem bem terminar o hiato de títulos britânicos, algo que já não sucede desde que Richard Burns venceu o Mundial de 2001.

Segundo lugar para Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul (Hyundai I20 Coupé WRC) que venceram a PowerStage e minimizaram ao máximo as perdas, já que recuperaram 23 pontos a Ogier. Contudo, os 32 pontos de atraso para Evans são pouco menos que irrecuperáveis no Mundial, embora não impossíveis. Ainda que não, matematicamente, pois estão 60 em jogo, isto se não for introduzida mais alguma prova, algo que não nos parece que vá suceder. Depois de um primeiro dia difícil, por causa do pó, estava a fazer bem o seu trabalho, liderava a prova, mas na nona especial um furo estragou-lhe um possível triunfo.

Sebastien Loeb/Daniel Elena (Hyundai I20 Coupé WRC) foram ao pódio naquela que pode ter sido a sua derradeira prova no WRC. Estiveram na luta pelo segundo lugar, entraram para o último dia de prova empatados com Ogier, mas tal como sucedeu a várias equipas, a PE9 foi demolidora e aí perderam 1m20s, devido a um furo, caindo para o quarto posto da geral, ainda que se mantivessem na luta pelo pódio que acabaram por conseguir.

Kalle Rovanperä/Jonne Halttunen (Toyota Yaris WRC) foram quartos classificados, depois de terem rodado quase toda a prova na quinta posição. Subiram com o abandono de Ogier. Um rali regular, numa prova que como se percebeu, foi de sobrevivência para todos.
Gus Greensmith/Elliott Edmondson (Ford Fiesta WRC) teve vários contratempos durante o rali, andou mal, mas foi bem melhor o resultado do que a exibição, ao terminar na quinta posição.

Esapekka Lappi/Janne Ferm (Ford Fiesta WRC) foi sexto, depois de muitos problemas, sendo que depois do abandono no segundo dia, com um problema na direção do i20 WRc, Ott Tänak/Martin Järveoja (Hyundai I20 Coupé WRC) ainda foram buscar quatro pontos na PowerStage, mas a possível revalidação do título está a 27 pontos de distância, o que parece demais quando se trata de um piloto tão regular quanto Elfyn Evans. Curiosamente, tem os mesmo 70 pontos que Kalle Rovanpera.

Sebastien Ogier/Julien Ingrassia (Toyota Yaris WRC) entraram para o derradeiro dia de prova na luta pelo segundo lugar, já que o triunfo estava em teoria entregue a Neuville, mas tratando-se isto do Rali da Turquia, quase nada é o que parece e Ogier desistiu quando era terceiro, a duas especiais do fim, com graves problemas no motor. Teemu Suninen/Jarmo Lehtinen (Ford Fiesta WRC) e Pierre-Louis Loubet/Vincent Landais (Hyundai I20 Coupé WRC) também ficaram pelo caminho.

Agora, o WRC ruma à Sardenha onde Evans não vai ter vida fácil, pois sai na frente num dos piores ralis do ano para o fazer. Mas com a vantagem que tem, pode fazer um rali de contenção e esperar para ver como param as modas. Seja como for, os números dizem agora que estão dois pilotos da Toyota nas duas primeiras posições do campeonato, mas as coisas ainda não estão definidas.