A frase é de Vincent Cobée, vice-presidente executivo da Citroën, quando questionado acerca do possível retorno da marca francesa ao Mundial de Ralis. Mas o que disse a seguir tem também enorme relevância, pois explica muita coisa: “O destino da modalidade não cabia no caminho que a Citroën queria fazer. Mas pode ser que no futuro a decisão chegue, talvez”, disse Cobée à revista Autocar, deixando no ar a possibilidade de retorno, mas também disse mais:
“A decisão de sair do WRC surgiu em 2019, por razões que não conheço em detalhe (ndr, iniciou as suas funções de janeiro de 2020) Percebo e respeito a decisão. Havia um crescente desligar entre o WRC, os seus adeptos, e o que a marca estava a promover em termos de produto. Foi uma decisão dura mas racional. Talvez nos próximos anos outra decisão surja, nunca podemos dizer nunca, mas para já é o que é, e estou confortável com isso.”

Vincent Cobée é a pessoa que precisa de ser convencida da importância do WRC para a marca, mas para isso é preciso que ele veja a relevância disso.
Para já, assegura que o que a marca estava a promover nas estradas do WRC não se coadunava com o caminho pela qual a marca está a seguir.
As regras vão mudar no WRC em 2022, talvez algo mude no futuro, até porque convém recordar qual é a marca que ocupa o topo na maioria dos recordes do WRC: a Citroën.

Gerard Quinn, ex-manager da Ford Motorsport concorda com algumas das afirmações de Cobée: “Tentar vender o WRC como meio de retratar o que a sua marca significa para uma população global de compradores de automóveis tornou-se mcada vez ais difícil ao longo do tempo.
A relevância para o produto com o qual os consumidores se podem relacionar sempre foi fundamental. Se alguém investe milhões durante um período sem ver retorno, então, com razão, os acionistas questionarão o valor dessa presença. O WRC encontra-se num ambiente competitivo difícil como meio de comercializar a sua marca face ao que costumava ser. Uma pequena percentagem dos compradores de automóveis são adeptos de ralis…”, disse Quinn.