Este tipo de planeamento familiar impediu cerca de 500 milhões de nascimentos desde sua introdução, em 1979, estimam especialistas chineses.
Mas também mostrou-se uma verdadeira bomba-relógio demográfica devido ao envelhecimento da população, fazendo pressagiar enormes problemas económicos e sociais, além de criar um desequilíbrio demográfico entre os sexos, segundo a oposição.

"A superpopulação é um dos principais desafios para o desenvolvimento económico e social", afirmou à agência Xinhua o diretor da Comissão de Estado para a População e Planeamento Familiar, Li Bin. O responsável prevê que a população chinesa atingirá 1,45 mil milhões de pessoas em 2020.

Os opositores à política de filho único acusam-na de ter criado um desequilíbrio entre os sexos por causa dos abortos das filhas mulheres, que muitas vezes são também abandonadas ou mortas.

Veja a reportagem em vídeo: