Sébastien Ogier: “Sinto que vamos ter mais apoio da Ford no próximo ano”

A Ford deverá contribuir para que a M-Sport possa ter condições para repetir os feitos de 2017

Acabou bem para a M-Sport a novela do saiu-não-sai de Sébastien Ogier. O campeão em título prolongou o seu contrato e apesar disso não ter sido divulgado oficialmente, houve aqui dedo da Ford Performance na questão. Há muito se sabe que da casa mãe nos EUA não há gente com os ralis no sangue, mas isso não sucede no seu braço europeu, pois aí, apesar de em 2013 ter havido a necessidade de poupar dinheiro, tal como revelou recentemente Gerard Quinn – facto que resultou na saída da Ford World Rally Team no Mundial de Ralis como equipa oficial – a verdade é que o que agora sucede, não sendo nada parecido ao que aconteceu até ao final de 2012, vai haver um incremento do apoio da Ford à M-Sport. Logicamente, os seus responsáveis não ficaram indiferentes ao que Malcolm Wilson faz pela marca, com as boas prestações e agora também vitórias em campeonatos.

Convém não esquecer um piloto não vencia o Mundial de Ralis com um carro da Ford desde que em 1981 Ari Vatanen foi Campeão do Mundo de Pilotos e quanto aos Construtores, os anos de Marcus Gronholm e Mikko Hirvonen, 2006 e 2007 foram bons, mas antes disso só em 1979, e depois, só agora a M-Sport repetiu o feito.

Portanto, há aqui mão da Ford neste prolongamento de contrato de Sébastien Ogier, pois os responsáveis da marca não são insensíveis ao facto destas vitórias reverterem muito positivamente para a imagem de marca. Agora, cada um sabe da sua ‘casa’ e quem dá o que pode a mais não é obrigado. Todos sabemos que o orçamento nem sempre é diretamente proporcional às vitórias que se obtém e a M-Sport é o melhor exemplo disso mesmo.

Portanto, esta terá sido a condição necessária para que Ogier tomasse a sua decisão pois o francês sabia que, só com mais meios será possível repetir o feito deste ano, e se nesta temporada foi possível chegar ao título, isso deveu-se ao facto de todos partirem do zero com carros novos, e a excelência de quem está na M-Sport encurtou a diferença nos orçamentos. Para o ano isso vai ser mais difícil, porque as restantes equipas estão a fechar o cerco, quer em termos de estrutura, quer em termos de pilotos. Talvez daqui retiremos apenas a Citroën que terá preferido apostar tudo em resolver os problemas do carro. Depois logo se verá o que conseguem fazer os pilotos com um carro menos nervoso nos pisos de terra. A Hyundai, tal como referiu Michel Nandan, reajustou o line-up de pilotos, que se mostrou fraco demais para a concorrência e por fim a Toyota, que depois de um positivo ano de aprendizagem, tem agora três pilotos ‘insuspeitos’, e mais doze meses de experiência em cima. Que ninguém duvide que o WRC 2018 pode ser ainda mais equilibrado, mas voltando à M-Sport/Ford, parece-nos que voltam a ter o ‘Ás de Trunfo’. Se o ‘jogo’ correr dentro da normalidade, no mínimo, vão estar na luta pelos títulos.

Quanto ao envolvimento da Ford, ao que tudo indica ‘tirou’ do WorldRX para ‘meter’ nos ralis. Embora esta não seja uma informação confirmada, tudo leva a crer que assim será: “Estou contente com o nosso ano, fomos consistentes, fortes em todo o lado, mas estou confiante que podemos ser ainda mais fortes e embora não possa falar nos detalhes, sinto que vamos ter mais apoio da Ford no próximo ano” disse Ogier à MotorSport News.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Desporto, Atualidade, Entretenimento, Tecnologia, Lifestyle e Motores.