Wall Street recupera apesar de polémicas com Trump

Presidente norte-americano continua a marcar as páginas dos jornais mas as bolsas norte-americanas encerram a semana no verde.

Ainda que a semana tenha sido marcada por quebras pronunciadas, as bolsas norte-americanas parecem estabilizar apesar das polémicas que continuam a envolver o presidente Trump.

Depois de terem fechado no verde na sessão anterior, o S&P repetiu o feito, encerrando a ganhar 0,68% para 2.381,73 pontos. O industrial Dow Jones encerrou a valorizar 0,69% para os 20.804,84 pontos, e o Nasdaq avançou 0,47% para 6.083,7 pontos.

De acordo com a Reuters, das 452 empresas do S&P 500 que já divulgaram números, cerca de 75% tiveram resultados melhores do que o esperado. Dados positivos numa semana marcada pela polémica em torno do presidente Donald Trump, ligada a uma alegada tentativa de interferir com investigações do FBI.

Foram avançados novos detalhes noutra história, desta vez envolvendo a Rússia. De acordo com o New York Times, Trump disse aos russos que a demissão do diretor do FBI, James B. Comey, que classificou como “doido”, aliviou a pressão sobre si.

As bolsas norte-americanas também continuam a escapar ao caos político vivido no Brasil: o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, acusou formalmente o presidente brasileiro, Michel Temer, por indícios da prática de três crimes.

Já o petróleo avança mais de 2%, ultrapassando os 50 dólares, com a expectativa dos investidores de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) prolongue o corte de produção que iniciou em dezembro do ano passado, na tentativa de aumentar os preços da matéria-prima até ao final deste ano. Uma subida acentuada que ajudou os índices ao puxar pelas empresas do setor energético.