Urban Beach intenta providência cautelar contra MAI

O dono da discoteca que foi fechada pelo Ministério da Administração Interna intentou agora uma providência cautelar para procurar que o espaço de diversão noturna volte a ser aberto.

O dono da discoteca que foi fechada pelo Ministério da Administração Interna intentou agora uma providência cautelar para procurar que o espaço de diversão noturna volte a ser aberto.

O dono da discoteca Urban Beach, que foi encerrada pelo Ministério de Administração Interna numa medida cautelar após agressões alegadamente perpetradas pelos seguranças privados do espaço de diversão noturna, intentou uma providência cautelar esta quinta-feira para procurar que a discoteca seja reaberta.

O Grupo K, segundo escreve o Expresso, intentou esta ação para procurar a suspensão do encerramento decidido pelo ministro Eduardo Cabrita. A medida foi avançada na semana passada, após agressões que terão tido lugar na madrugada de 1 de novembro e que foram filmadas por transeuntes e divulgadas nos meios de comunicação.

O vídeo levou o MAI, em coordenação com o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, a decretar o encerramento da discoteca — uma decisão assente também noutras quase quatro dezenas de queixas na PSP por alegadas situações de violência à entrada do Urban, envolvendo seguranças. O Grupo K, proprietário do Urban, teria agora seis meses para “adotar medidas necessárias ao regular funcionamento” do estabelecimento.

A providência cautelar deu esta quinta-feira entrada no Tribunal Administrativo de Lisboa. O Expresso terá tentado contactar o proprietário do espaço mas não obteve comentários adicionais.