Trichet: “Tivessem Portugal, Grécia e Irlanda respeitado regras e não teríamos crise”

O antigo presidente do Banco Central Europeu defende ainda que Portugal tem de avançar nas reformas estruturais.

Jean-Claude Trichet, antigo presidente do Banco Central Europeu, defendeu que, se Portugal, Grécia e Irlanda tivessem respeitado as regras estabelecidas, em 2010, não teria havido crise, e salienta que Portugal tem de avançar nas reformas estruturais.

“Não é hora de complacência, ainda há muito trabalho a ser feito, o desemprego ainda é alto, a dívida ainda existe e o crescimento é uma obrigação. O crescimento constante e sustentável é uma obrigação e exige reformas estruturais“, alertou Jean-Claude Trichet, em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF, publicada este sábado.

Para o responsável europeu, a palavra-chave é crescimento. “Se houver mais crescimento, há mais criação de emprego, mais capacidade de encaixar dívida pendente, o que ainda é um grande problema para muitos países, incluindo Portugal” que, no entanto, “tem recursos humanos fantásticos, uma capacidade fantástica”.

CE: é preciso compensar em 2018 custo com pensão antecipada

Aliás, realçou que Portugal “provou, recentemente, uma capacidade extraordinária no caminho da recuperação. Porque a recuperação é muito impressionante”, embora insista que “ainda há muito a fazer, tendo em conta a capacidade e o potencial de Portugal”.

Na opinião de Jean-Claude Trichet, a gestão da dívida de Portugal pelo Ministério das Finanças “parece sensata com a substituição apropriada para o endividamento de longo prazo do endividamento de médio prazo“, embora nesse nível de endividamento “o que conta é estar a diminuir ano após ano a dívida em proporção do PIB [Produto Interno Bruto], a fim de convencer os investidores”.

Quanto à crise que levou ao pedido de resgate e período de austeridade, defendeu: “Tivessem Portugal, Grécia e Irlanda respeitado a estabilidade do crescimento e respeitado as regras que estabelecemos na zona euro e não teríamos tido uma crise”.

No início de 2010, “os mais vulneráveis eram a Grécia, a Irlanda e Portugal”, lembrou o responsável que liderava o Banco Central Europeu (BCE) quando ocorreu a crise financeira internacional de 2008 que acabou por levar Portugal, Grécia e Irlanda a pedir ajuda a externa.

À pergunta por quanto tempo mais poderá o BCE continuar a suportar juros historicamente tão baixos, o antigo presidente da instituição disse que “todos os bancos centrais das economias desenvolvidas estão a fazer um trabalho muito difícil para normalizar a situação. Mas também é crucial que todos os outros parceiros se mobilizem”, nomeadamente governos, parlamentos e o setor privado.

Sozinhos, os bancos centrais não podem salvar o dia sem os outros parceiros“, concluiu Jean-Claude Trichet.