Sindicato dos Oficiais de Justiça anuncia greve de três dias

Os oficiais de Justiça acusam o Governo de "falta de vontade política" e de "eventual falta de vontade financeira".

Os oficiais de Justiça acusam o Governo de "falta de vontade política" e de "eventual falta de vontade financeira".

O Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) anunciou esta quinta-feira uma greve de 3 dias, a 31 de janeiro, 1 e 2 de fevereiro, para protestar contra a falta de resposta do Ministério da Justiça aos problemas. A greve de três dias dos oficias de justiça foi anunciada no dia da abertura do ano judicial.

“O Ministério da Justiça, independentemente dos seus titulares, não tem respondido atempada e adequadamente aos problemas que lhe têm sido submetidos pelos oficiais de justiça”, refere o sindicato, em comunicado.

Segundo aquele sindicato, a “falta de vontade política, que se traduz também numa eventual falta de vontade financeira”, coloca os tribunais e os oficiais de justiça “desprovidos de condições para potencializar a realização da justiça”.

O SOJ refere que “não é de ânimo leve” que avançam para a greve, mas sublinham que os oficiais de justiça “não podem e não querem continuar a constituir, no prisma dos Ministérios da Justiça e das Finanças, o elo mais fraco das cogitações do Governo”.

De acordo com o sindicato, os oficiais de justiça reivindicam a contagem do tempo em que a carreira esteve congelada, um “regime de aposentação justo, reconhecendo a exigência da carreira”, uma compensação pelas exigências decorrentes da especialização dos tribunais, formação contínua e a revisão e valorização do estatuto socioprofissional, bem como a colocação a concurso para promoção dos lugares vagos e a abertura de concurso para ingresso na profissão.