Revista de imprensa internacional

A visita de Trump à China rendeu 37 negócios aos EUA e a abertura do setor financeiro chinês ao mundo. Na UE, May está disposta a pagar mais e o Parlamento Europeu prepara campanha anti-eurocetismo.

A visita de Trump à China rendeu 37 negócios aos EUA e a abertura do setor financeiro chinês ao mundo. Na UE, May está disposta a pagar mais e o Parlamento Europeu prepara campanha anti-eurocetismo.

Há oito anos que o ouro não tinha tão pouca procura. A culpa está no bom desempenho dos mercados financeiros após a vitória de Donald Trump nas eleições de há um ano. O presidente dos EUA esteve na China recentemente, onde foram acordados 37 negócios entre empresas norte-americanas e chinesas. Além disso, o setor financeiro chinês passou a estar mais aberto ao exterior. Na União Europeia, o Reino Unido deverá pagar mais do que 20 mil milhões de euros para sair e o Parlamento Europeu vai gastar dinheiro dos contribuintes para os influenciar numa campanha anti-euroceticismo.

Financial Times

Theresa May disposta a pagar mais à UE no Brexit

A primeira-ministra britânica está a preparar uma proposta onde aumenta a fatura do divórcio do Reino Unido com a União Europeia, depois de ter proposto um pagamento de 20 mil milhões de euros. Esse valor está bastante aquém dos montantes falados em Bruxelas, que variam entre 50 e 100 mil milhões de euros. Esta será a forma do Governo britânico desbloquear as negociações com a Comissão Europeia que, à sexta ronda, ainda estão numa fase bastante primitiva.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso pago)

Quartz

Procura por ouro em mínimos de oito anos

De acordo com o World Gold Council, a procura pelo metal precioso está em mínimos de 2009. No terceiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, a procura por ouro diminuiu 9%. O total de investimento em ouro desceu 28% no terceiro trimestre. Esta tendência é a consequência da valorização que os mercados acionistas, ou seja, os ativos de risco, têm sentido este ano. O ouro é considerado um ativo de refúgio em alturas de tensão nas bolsas.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Politico

Parlamento Europeu prepara campanha anti-euroceticismo

Os eurodeputados estão a planear uma campanha para dissuadir os cidadãos de votarem em partidos eurocéticos nas eleições europeias de 2019. A campanha proposta tem como público-alvo os eleitores europeus que apreciam a União Europeia, mas não costumam ir votar nas eleições europeias — em Portugal, este sufrágio é o que apresenta as maiores taxas de abstenção. Na próxima segunda-feira, o documento deverá ser validado pelo Parlamento Europeu.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

CNBC

Viagem de Trump à China resulta em 37 negócios

Foi uma viagem produtiva. Segundo o Departamento do Comércio norte-americano, durante a visita de Donald Trump à China, empresas dos dois países assinaram 37 acordos num total de 250 mil milhões de dólares. Entre as empresas que acompanharam o presidente dos Estados Unidos estão a Caterpillar, a Boeing e a Goldman Sachs. O secretário de Estado Wilbur Ross — envolvido nos Paradise Papers — afirmou que os negócios são um exemplo da relação que a Casa Branca quer ter com Pequim.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Reuters

China abre setor financeiro ao exterior

As autoridades chineses decidiram acabar com os limites ao capital detido por entidades estrangeiras no setor financeiro do país. Este passo do Governo chinês permitirá aos investidores de todo o mundo terem um acesso mais amplo ao setor financeiro asiático. O anúncio feito pelo ministro das Finanças, Zhu Guangyao, coincide com a viagem de Trump à China, onde o presidente dos EUA tinha pedido mais abertura aos mercados. O limite de capital estrangeiro era de 49% e passará a ser de 51%.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)