PSD saúda medidas do Governo e quer apresentar outras

Abreu Amorim afirmou que as medidas de remodelação do sistema de proteção contra incêndios são boas mas que ainda se pode ir mais longe, por exemplo na criação de um contingente militar especializado.

Abreu Amorim afirmou que as medidas de remodelação do sistema de proteção contra incêndios são boas mas que ainda se pode ir mais longe, por exemplo na criação de um contingente militar especializado.

O PSD saudou este domingo as medidas apresentadas ontem à noite pelo Governo, mas defendeu que várias das medidas já tinham sido apresentadas anteriormente pelos social-democratas e admitiu ainda apresentar mais iniciativas a acrescentar a esta reforma. Numa conferência de imprensa este domingo, o deputado Carlos Abreu Amorim afirmou que o PSD estudará “com profundidade o desenho de todas as medidas” e acrescentará “algumas àquelas que o Governo apresentou ontem”.

O primeiro-ministro apresentou ontem à noite um pacote de medidas para reformar profundamente o sistema de proteção contra incêndios, além de medidas para indemnizar as famílias das vítimas mortais.

“O grupo parlamentar do PSD e o PSD gostariam de saudar o Governo pelas medidas que foram ontem [sábado] anunciadas de combate a estes flagelos que nos têm assaltado, que são os incêndios. O Governo tomou estas medidas e pode contar da parte do PSD com toda a colaboração necessária para que as mesmas sejam levadas a caso”, afirmou hoje, no Porto, Carlos Abreu Amorim.

Segundo o social-democrata, algumas das medidas anunciadas pelo Governo, que no sábado realizou um Conselho de Ministros extraordinário dedicado aos incêndios, são “extremamente positivas”, como por exemplo a criação de concursos públicos para a Autoridade Nacional da Proteção Civil. Contudo, outras, apresentadas pelo partido no parlamento, já poderiam já estar em prática se o PS não as tivesse chumbado.

“Obviamente que temos que lamentar que algumas dessas medidas tenham esperado quatro meses, designadamente a questão da indemnização às vítimas de Pedrógão e agora às vítimas dos incêndios que sucederam a Pedrógão”, disse.