Nowotny vê risco de bolha nas praças europeias

O membro do conselho do Banco Central Europeu aconselha os supervisores bancários a "limitarem atempadamente a oferta de crédito para a compra de títulos".

O membro do conselho do Banco Central Europeu aconselha os supervisores bancários a "limitarem atempadamente a oferta de crédito para a compra de títulos".

Ewald Nowotny, membro do conselho do Banco Central Europeu, prevê que a entrada de dinheiro nas praças europeias continue a aumentar. Como tal, alerta para o risco de se formar uma bolha neste mercado e aconselha os supervisores a tomarem medidas desde já.

Nowotny compara a negociações na praça americana com o mercado imobiliário europeu. Considera que as ações dos EUA estão “sobreaquecidas” e que são “mais perigosas”. Neste sentido, deteta uma migração do capital para os mercados do Velho Continente e avisa: “Temos de ser mais cuidadosos para que não exista, também, uma bolha nas avaliações na Europa“.

Os supervisores deviam limitar atempadamente a oferta de crédito para a compra de títulos“, aconselha o membro do conselho do Banco Central Europeu, que é também governador do banco central austríaco.

Em 2017, o principal índice europeu — o Stoxx 600 — valorizou 7,68%, a maior subida desde 2013. Este índice atingiu no ano passado o valor mais alto desde 2015. Já em Nova Iorque, assistiu-se à maior subida dos últimos quatro anos: o S&P 500 disparou 19,42% em 2017.