Mercados a vermelho, mas só un petit peu

Wall Street abre novamente a vermelho, mas com quedas muito ligeiras. São as eleições francesas que continuam a refrear os investidores, apesar do otimismo em relação à economia americana.

A expectativa era de ligeiras subidas, mas a evolução foi no sentido inverso. A presença de Marine Le Pen na corrida à presidência francesa fomenta incertezas quanto ao futuro da Europa. O anúncio da descida de impostos e os resultados acima das expectativas para as empresas norte americanas não foram suficientes para animar os mercados.

O favoritismo de Emmanuel Macron não descansa os investidores. E uma vitória de Marine Le Pen pode “abalar a unidade da União Europeia” e “criar uma onda de aversão ao risco”, segundo Lukman Otunuga da FXTM.

Na sequência destes receios, o índice S&P 500 abriu com uma quebra de 0,04%, caindo para os 2355,01 pontos. O tecnológico Nasdaq caiu até aos 5912,50, o equivalente a menos 0,05%, e o industrial Dow Jones registou menos 0,01%, 20580,30 pontos na abertura.

Ainda assim, os mercados até teriam razões para estar otimistas. Ontem foi anunciada uma revisão dos impostos americanos, que deverão descer “em breve” segundo o secretário Steven Mnuchin. Para além das facilidades futuras, as empresas parecem já estar bem encaminhadas: das 82 empresas do índice S&P 500 que reportaram os resultados esta quinta-feira, 75% superaram as expectativas dos mercados.