Francesa Lifeina vence concurso de pitch

Os franceses da Livein levaram para casa o cheque de 50.000 euros.

Os franceses da Livein levaram para casa o cheque de 50.000 euros.

Lifeina venceu o concurso de pitch do Web Summit em 2017.

ECO - Economia Online

A startup francesa Lifeina venceu a edição de 2017 do concurso de pitch do Web Summit. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira no palco principal, antes de Al Gore subir ao palco.

A startup foi a última a apresentar o pitch horas antes mas saiu vitoriosa aos olhos do público logo que as votações arrancaram. “As pessoas com doenças têm que tomar a medicação mas têm muitas vezes vergonha. Acabam por ser uma grande despesa para os Governos”, disse o fundador da startup.

Lifeinthebox, o produto apresentado pela startup, é o “frigorífico mais pequeno do mundo” que não só conserva a medicação como também relembra o paciente de a tomar. “Não é só um frigorifico. É uma ferramenta para o coração e para a liberdade”, conclui.

Em resposta às questões do júri, o fundador da Lifeina assegurou que o produto “não é considerado um utensílio médico”, afastando assim os receios de que haja complicações em termos de regulação. Quanto a serem copiados, a startup explica que “temos tecnologia difícil de copiar”.

A vencedora ficou entre as três startups finalistas que foram ainda avaliadas por um painel de quatro jurados. Estiveram sob o escrutínio dos investidores Tom Hulme, da Google Ventures, Daniela Markotten, CEO da Daimler Fleetboard e Lydia Jett, do Softbank Vision Fund. A avaliar esteve também Casey Lau, o co-anfitrião do Rise, uma conferência organizada pelo Web Summit na Ásia. É também fundador do StartupsHK, uma comunidade de startups em Hong Kong.

Vencedora já tem 8.700 reservas de ‘mini frigorífico’

A ‘startup’ vencedora do concurso para empresas em fase inicial na conferência de tecnologia Web Summit, em Lisboa, já tem 8.700 pré-reservas para o ‘mini frigorífico’ portátil para medicamentos que custa pelo menos 150 euros, segundo o fundador.

Falando em conferência de imprensa, o presidente executivo da ‘startup’ francesa Lifeina, Uwe Diegel, indicou que o objetivo é vender o equipamento “em todos os países do mundo”, havendo já um total de 8.700 pré-reservas.

Uwe Diegel precisou que, para já, a Lifeina vai começar por apostar em países como os Estados Unidos, a Austrália e os europeus, por já saber “como funcionam”. Em 2019, o objetivo é passar a disponibilizar este equipamento na Ásia e na América Latina, apontou.

De acordo com o responsável, os preços “variam entre 150 e 250 euros”, dependendo do que o ‘pack’ traz – se apenas uma bateria ou mais e quais os acessórios.

A ideia para criar este ‘mini frigorífico’ portátil surgiu ao início por brincadeira para poder armazenar medicação do seu irmão, evitando colocá-la no frigorífico doméstico, confidenciou Uwe Diegel.

“É um negócio acidental”, admitiu, sustentando, ainda assim, que “os melhores projetos são guiados por necessidades”.Segundo a organização da Web Summit, nesta segunda edição do evento em Portugal, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Com Lusa.