Governo tem 2,6 mil milhões de euros para apoiar empresas

O Ministério da Economia quer apoiar empresas através de várias linhas de financiamento no próximo ano. São, ao todo, 2,6 mil milhões para PME, exportadoras e para atrair grandes eventos para o país.

O Ministério da Economia quer apoiar empresas através de várias linhas de financiamento no próximo ano. São, ao todo, 2,6 mil milhões para PME, exportadoras e para atrair grandes eventos para o país.

O Governo tem 2,6 mil milhões de euros para apoiar as empresas no próximo ano. Este apoio, que será prestado pelo Ministério da Economia através de várias linhas de financiamento, pretende chegar a pequenas e médias empresas, exportadoras mas também para atrair filmagens e grandes eventos para o país.

Segundo o Jornal de Negócios (acesso pago), o Executivo vai lançar a Linha Capitalizar Exportação para apoiar as empresas exportadoras. Este instrumento financeiro vai disponibilizar 600 milhões com o objetivo de oferecer “condições mais vantajosas com vista à promoção da internacionalização das empresas portuguesas”, lê-se num documento do Ministério da Economia relativo ao Orçamento do Estado para o próximo ano.

Há ainda 400 milhões para a Linha Capitalizar “Mid Cap”, que vão “financiar investimentos de empresas de média dimensão”. O Governo vai também renovar as linhas Capitalizar, mantendo o mesmo valor — 1.600 milhões de euros — mas com os prazos de maturidade alargados até 12 anos.

Segundo o documento, a Linha Capitalizar Mais vai “financiar investimento em ativos e reforço de capitais de micro e pequenas empresas, financiar necessidades de fundo de maneio, conferir maior flexibilidade à gestão corrente da tesouraria das empresas, financiar investimentos em ativos com elevado prazo de recuperação e financiar projetos aprovados no âmbito do Portugal 2020 para investimentos de médio e longo prazos”.

Para captar filmagens e grandes eventos internacionais para o país, o Governo também tem 50 milhões de euros para reforçar o “posicionamento de Portugal enquanto destino turístico, para a coesão do território, redução da sazonalidade e para a sustentabilidade no turismo”.