Finanças já reembolsaram 1,2 mil milhões de euros de IRS

Até 15 de maio, os contribuintes já receberam 1,2 mil milhões de euros em reembolsos de IRS. Este valor é o dobro do que tinha sido devolvido, pela mesma altura, no ano passado, diz o ministro.

Mário Centeno, ministro das Finanças, defende que os resultados da economia já refletem a ação do Governo.

ECO - Economia Online

As Finanças já reembolsaram 1,2 mil milhões de euros de IRS aos contribuintes, até 15 de maio, revelou esta sexta-feira o ministro das Finanças, perante os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças. Mário Centeno frisou que o valor dos reembolsos é o dobro do que tinha sido registado pela mesma altura, no ano passado.

Mário Centeno, que está a responder aos deputados no âmbito de uma audição regimental, argumentou que o Governo introduziu “procedimentos nos reembolsos de IVA e IRS que asseguram reembolso mais rápido.” O ministro assegurou que o prazo de reembolso “reduziu-se em todos os regimes do IVA”, adiantando que no regime normal “reduziu-se em uma semana e é inferior a 20 dias.”

Já no caso do IRS, Mário Centeno garante que até 15 de maio foram devolvidos 1,2 mil milhões de euros e que este valor “corresponde ao dobro do ano passado”, pela mesma altura. Comparando com a última atualização que tinha sido disponibilizada pelo Ministério das Finanças, quer dizer que o Fisco devolveu cerca de 700 milhões à economia em apenas 15 dias. Segundo o Governo, até 2 de maio tinham sido devolvidos 495 milhões de euros.

“Com medidas de eficiência fiscal ajudamos a liquidez das empresas e famílias”, frisou Mário Centeno.

Défice de 2016 falhou por 0,006%

A dois dias de ser conhecida a decisão da Comissão Europeia sobre se Portugal sai do Procedimento por Défice Excessivo, o ministro das Finanças reafirmou a confiança do Executivo numa decisão positiva. “Cumprimos com as instituições em Portugal e na Europa, mas sobretudo cumprimos com os portugueses”, disse o ministro. “Julgo que estão asseguradas as condições para a saída do PDE”, defendeu.

Ler Mais Já há data: Comissão diz na 2ª feira se tira Portugal do PDE

Mário Centeno frisou que o défice registado em 2016 falhou por “difere dois milhões de euros, são 0,006% do PIB, face ao objetivo”. E adiantou que “já a partir da semana que vem” o esquema de incentivos à poupança para promover a eficiência vai reforçar o controlo da despesa.

Motores da economia estavam “gripados” com o anterior Governo

O ministro das Finanças chamou a si os avanços na recuperação da economia: “Um ano e meio depois de o Governo tomar posse podemos falar de resultados e associá-los às nossas políticas.”

E recordou o crescimento de 2,8% do PIB no primeiro trimestre deste ano, bem como a redução do desemprego, ao mesmo tempo que a economia cria postos de trabalho. “O PIB hoje veste made in Portugal, assim como numa parte da Europa”, disse Centeno.

Já sobre o desempenho da economia durante a legislatura do anterior Governo, Centeno foi muito crítico: “Se havia um modelo de desenvolvimento, os seus motores tinham gripado depois da primeira reta”, defendeu o ministro, referindo-se ao facto de a economia ter registado uma tímida recuperação em 2014, mas que não se manteve em 2015.