Combustíveis vão subir… duas vezes. A culpa é do ISP

Vem aí um novo aumento dos preços dos combustíveis. Há margem para subidas de mais de um cêntimo por litro. E deverão ser ainda mais expressivas com a revisão do valor do ISP.

Vem aí um novo aumento dos preços dos combustíveis. Há margem para subidas de mais de um cêntimo por litro. E deverão ser ainda mais expressivas com a revisão do valor do ISP.

Novo ano, preços… mais altos. São vários os bens e serviços que ficam mais caros, entre eles os combustíveis. 2018 começa com um aumento dos preços da gasolina e do gasóleo, agravamentos que deverão superar um cêntimo por litro só à custa da evolução das cotações nos mercados internacionais. Com a revisão do ISP, a subida será ainda mais expressiva.

Com o petróleo a testar máximos, já perto dos 67 dólares em Londres e dos 60 em Nova Iorque, também as cotações dos combustíveis estão a agravar-se nos mercados internacionais. Apesar de a semana ser mais curta do que o habitual, a negociação destes derivados revelou uma valorização. O preço médio da tonelada métrica da gasolina subiu 1,58%, para 518,34 euros, subindo 3,31% no caso do gasóleo.

O resultado será um aumento dos preços de venda dos combustíveis nos postos de abastecimento nacionais. De acordo com os cálculos do ECO, a variação das cotações deverá levar a uma subida de 0,5 a um cêntimo por litro no caso da gasolina. Já o diesel, o combustível mais utilizado pelos portugueses, tem margem para ficar 1,5 cêntimos mais caro no arranque do novo ano.

Esta evolução deverá levar o preço médio da gasolina simples de 95 octanas de 1,381 para mais perto dos 1,39 euros, tendo em conta os dados da Direção Geral de Energia e Geologia. No caso do gasóleo, o aumento expressivo colocará o valor médio mais perto da fasquia dos 1,30 euros, isto tendo em conta que o preço médio atual é de 1,281 euros. Prepara-se para renovar máximos de, pelo menos, 2015.

Estas subidas resultam exclusivamente do comportamento das cotações nos mercados internacionais, mas estando no final do ano é preciso ter em conta também a revisão da fiscalidade que recai sobre os produtos petrolíferos. Este ano, o Governo decidiu reduzir em dois cêntimos o ISP da gasolina, onerando noutros dois o gasóleo, mas para 2018 haverá apenas uma atualização à taxa de inflação.

“Procede-se à mera atualização de algumas das taxas do ISP, também ao nível da inflação, embora não exista qualquer alteração às taxas de imposto aplicadas à gasolina e ao gasóleo”, refere o Orçamento do Estado para 2018, onde nota que se “mantém em vigor em 2018 o adicional às taxas do ISP, no montante de 0,007 euros por litro para a gasolina e, no de 0,0035 euros por litro para o gasóleo”.

“Neste sentido, o crescimento da receita deste imposto advém fundamentalmente do aumento do consumo, o que deverá levar a um aumento da receita na ordem dos 203 milhões de euros (+6,1%)”, acrescenta. Com o ISP, o Governo estima arrecadar 3,553 mil milhões de euros durante o próximo ano.