Catalunha arrasta bolsas europeias. Lisboa abaixo da linha de água

O Governo espanhol decidiu suspender a autonomia da Catalunha e a tensão chegou aos mercados acionistas. Os juros da dívida espanhola também estão sob pressão.

O Governo espanhol decidiu suspender a autonomia da Catalunha e a tensão chegou aos mercados acionistas. Os juros da dívida espanhola também estão sob pressão.

A tendência foi de queda generalizada entre as principais praças europeias na sessão desta quinta-feira. A tensão entre Catalunha e Espanha, acentuada pela decisão do Governo espanhol de suspender a autonomia da Catalunha, chegou aos mercados acionistas e aos juros das dívidas soberanas. Lisboa não escapou e fechou abaixo da linha de água.

O PSI-20 encerrou a perder 0,02%, para os 5.460,35 pontos, com nove cotadas em queda, oito em queda e uma inalterada.

A penalizar o principal índice acionista português esteve a Mota-Engil, que caiu 1,13%, para os 3,25 euros por ação, e a Pharol, que derrapou 5,52%, para os 46,2 cêntimos por ação. Isto numa altura em que a Oi (a operadora brasileira da qual a Pharol é acionista) tem enfrentado várias reclamações dos credores portugueses da antiga PTIF, que estão a ter problemas para aderir ao programa de recuperação dos investimentos que fizeram.

A evitar maiores perdas esteve o setor energético, com a EDP a ganhar 0,2%, para os 3,02 euros por ação, e a Galp a avançar 0,77%, para os 15,73 euros.

No resto da Europa, as quedas foram mais acentuadas. O IBEX espanhol recuou 0,74%, enquanto a praça italiana perdeu quase 1%. Os juros da dívida espanhola também estão a sentir a pressão da situação na Catalunha e estão a aumentar. A taxa a cinco anos está a agravar em 1,4 pontos bases, para 0,318%, enquanto a taxa a dez anos sobe 1,7 pontos base, para 1,635%.