Al Gore: “Vamos fazer a nossa parte, independentemente do Presidente Trump”

O norte-americano esteve em Lisboa para fechar o Web Summit. No palco principal, apelou à ação.

O norte-americano esteve em Lisboa para fechar o Web Summit. No palco principal, apelou à ação.

Vocês, que têm negócios, têm mais impacto do que praticamente qualquer outro grupo no mundo inteiro”, reforça Al Gore. “Agora é a vossa vez”, diz. Enquanto elogia a ação dos empreendedores que veio “recrutar” para a sua causa, garante que os EUA vão cumprir o seu papel no acordo de Paris “independentemente do Presidente Trump”.

O “negócio está a liderar” e “os políticos a atrasar”, diz Al Gore. É aos empreendedores do Web Summit que se dirige porque, acredita, “podem ter mais poder do que qualquer pessoa” no combate às alterações climáticas. “Obrigado por o que estão a fazer. Já estão a fazer uma grande diferença”, diz, referindo-se à evolução a nível tecnológico em que as startups estão a participar.

A primeira questão a que Al Gore tentou responder no seu discurso foi “Temos de mudar?”. O político respondeu assertivamente: “Claro que temos de mudar! Não podemos condenar a próxima geração!” conclui, elevando o tom da voz entusiasticamente.

A segunda incerteza que se impõe, segundo o político, é “Podemos mudar?”. Sim. E por fim, “Vamos mudar?”. “O meu papel aqui é recrutar-vos para resolver o problema”, responde Al Gore.

Mas a intervenção de Al Gore não foi apenas recrutamento: houve mais. Depois de reunir por cerca de meia hora com António Costa, Al Gore dá inúmeros exemplos, por todo o mundo, de desastres naturais causados pelas alterações climáticas. “Tem também acontecido aqui em Portugal”, nomeia.

Por fim, Al Gore agradeceu às tecnológicas que estão presentes no Web Summit e a contribuir com o seu trabalho para criar soluções amigas do ambiente. “Obrigado por o que estão a fazer. Já estão a fazer uma grande diferença”.