Acionista chinês da EDP procura alternativa a Mexia

A China Three Gorges quer encontrar um nome para substituir António Mexia à frente da EDP até ao final deste ano, para evitar prolongar a incerteza dentro da empresa.

A China Three Gorges, maior acionista da EDP, não quer manter António Mexia à frente da elétrica e já está à procura de uma alternativa para o presidente executivo da empresa.

A notícia é avançada, este sábado, pelo Expresso (acesso pago), que dá conta de que Francisco Lacerda, atual presidente executivo dos CTT, é uma das hipóteses em cima da mesa para substituir Mexia. Contudo, acrescenta o semanário, o presidente da EDP, à frente da empresa há doze anos, não quer deixar o cargo. Aliás, no mês passado, já reafirmou a sua disponibilidade para permanecer à frente da EDP.

China Three Gorges reforça posição. Passa a ter 23,2% da EDP

Do lado da China Three Gorges, o objetivo será encontrar uma alternativa até ao final deste ano, ainda que a próxima assembleia geral de acionistas da EDP só tenha lugar em abril de 2018. Isto para evitar prolongar a incerteza dentro da empresa.

A pesar no descontentamento do acionista chinês estão as polémicas dos últimos meses. António Mexia foi constituído arguido na investigação do Ministério Público sobre os Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) e, mais recentemente, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) concluiu que as produtoras elétricas têm recebido rendas excessivas e quer cortar estas rendas em 167 milhões por ano.